Cidade russa no Círculo Polar Ártico atinge calor de 38°C


Temperaturas recorde na Sibéria preocupam cientistas. Calor incomum para a região está ligado ao aumento nos incêndios florestais. Crianças brincam em lago de Verkhoyansk, no norte da Rússia, no domingo (21)
Olga Burtseva via AP
Termômetros marcaram temperaturas acima do comum neste fim de semana, mesmo para o verão, no norte da Rússia — inclusive em cidades localizadas acima do Círculo Polar Ártico. No sábado (20), a cidade de Verkhoyansk, na Sibéria, registrou 38°C, um recorde local de calor.
De acordo com o site Pogoda i Kimat, que reúne dados meteorológicos da Rússia, a cidade vem registrando temperaturas médias de 10°C a 14°C acima do normal para a estação.
Autoridades russas estão preocupadas com a onda de calor na região do Ártico. Com o calor, incêndios florestais se arrastaram pela região. Só na República de Sakha, onde está localizada a cidade de Verkhoyansk, mais de 275 mil hectares de floresta pegaram fogo, segundo agências de monitoramento.
Termômetro em Verkhoyansk, na Rússia, marca mais de 30°C neste domingo (21), temperatura pouco usual mesmo no verão russo
Olga Burtseva via AP
Recorde de amplitude
Verkhoyansk entrou para o “Guiness” como a cidade com maior amplitude de máxima e mínima temperaturas registradas: o mais frio registrado no local foi de -68°C. Até este sábado, os termômetros por lá tinham marcado 37,2°C como o recorde de calor.