Chevrolet comunica recall de 170 mil unidades de Sonic, Cruze e Tracker por ‘airbags mortais’


Empresa informa que poderá ocorrer o rompimento do insuflador localizado no volante do veículo, provocando a dispersão de fragmentos de metal; ferimentos podem ser fatais. Chevrolet Tracker 2017
Divulgação
A Chevrolet anunciou nesta quinta-feira (28), no Brasil, o recall de 169.041 Sonic, Cruze e Tracker por possível defeito no airbag do lado do motorista. Os ferimentos causados pela falha podem ser fatais e seguem o padrão visto no “mega-recall” de componentes da Takata, que atingiu milhões de veículos em todo o mundo.
No entanto, a montadora ainda não confirmou ao G1 se os airbags defeituosos deste novo recall também são da empresa japonesa.
Veja os chassis envolvidos:
Sonic modelo 2014 (11.253 unidades)
Números de chassis de ES503657 a ES639235
Fabricados entre 18/2/13 a 19/3/14;
Cruze modelos 2014 a 2016 (83.407 unidades)
Números de chassis de EB116749 a GB167781
Fabricados entre 27/5/13 a 12/4/16;
Tracker modelos 2014 a 2018 (74.381 unidades)
Números de chassis de FL110150 a JL415149
Fabricados entre 4/6/13 a 12/6/18.
Peças de reposição (41 unidades)
Código: 95366753
Fabricadas entre 01/05/2014 a 24/07/2019
Como é o defeito?
No comunicado, a empresa informa que, em caso de colisão em que o acionamento do sistema de airbag é esperado, poderá ocorrer o rompimento do insuflador localizado no volante do veículo, provocando a dispersão de fragmentos de metal de sua carcaça.
Onix hatch leva 5 estrelas em teste de colisão
Por risco de incêndio, Onix tem recall de 19 mil unidades
Este defeito poderá causar danos materiais, lesões físicas graves ou até mesmo fatais ao motorista e aos ocupantes do veículo.
Os proprietários dos veículos envolvidos deverão agendar em uma concessionária da marca a substituição do airbag do motorista. Para agendamento e mais informações a empresa disponibiliza o telefone 0800 702 4200 e o site www.chevrolet.com.br/servicos/recalls.
De acordo com o Procon-SP, os consumidores que sofreram algum tipo de acidente, pela manipulação do produto, poderão solicitar, por meio do Judiciário, a reparação dos danos eventualmente sofridos.
Entenda o caso dos ‘airbags mortais’ da Takata; Brasil tem recalls