Caso Harvey Weinstein: Juiz rejeita acordo de US$ 18,9 milhões para vítimas


Acordo entre nove mulheres e produtor não foi considerado justo para outras vítimas. Advogados disseram estar satisfeitos com decisão de rejeitar ‘uma proposta unilateral’. Harvey Weinstein chega ao tribunal de Nova York para julgamento de casos de agressão sexual em janeiro
AP Photo/Seth Wenig
Um juiz federal rejeitou nesta terça-feira (14) o acordo de US$ 18,9 milhões que Harvey Weinstein e seu estúdio ofereceram a nove vítimas, dizendo que o acordo provisório não é justo para outras mulheres.
“Com base nos meus estudos dos documentos, no meu estudo dos documentos de objeção e nas falhas que já observei, não darei aprovação preliminar ao acordo”, declarou o juiz Alvin Hellerstein.
O acordo foi anunciado no final de junho e precisava ser aprovado por dois tribunais. As vítimas puderam reivindicar entre US$ 7,5 mil e US$ 750 mil dólares.
A procuradora Letitia James comemorou a possibilidade de acordo no começo de julho, mas alguns advogados de defesa não se mostraram tão favoráveis.
Nesta terça, advogados de pelo menos seis acusadoras disseram estar satisfeitos com a decisão do juiz de rejeitar o que descreveram como “uma proposta unilateral”.
“Dizemos há mais de um ano e meio que os termos e condições do acordo eram injustos e nunca deveriam ser impostos aos sobreviventes de agressão sexual”, disseram os advogados Douglas Wigdor, Kevin Mintzer e Bryan Arbeit, que representam várias vítimas em uma declaração conjunta.
“Em nome de nossos clientes, esperamos buscar justiça contra Harvey Weinstein e seus muitos facilitadores”, continuaram.
Condenado por ataque sexual e estupro
Weinstein está cumprindo uma sentença de 23 anos em uma prisão de segurança máxima no norte de Nova York após a condenação no julgamento no começo deste ano. A condenação é considerada como chave para o movimento #MeToo.
O ex-produtor de cinema de 68 anos foi acusado de comportamento sexual agressivo por mais de 90 mulheres, incluindo as atrizes Angelina Jolie e Salma Hayek.
Ex-produtor de Hollywood, Harvey Weinstein é condenado a 23 anos de prisão em março