Carlos Ghosn se defende de acusações em entrevista coletiva no Líbano


Empresário brasileiro fez sua primeira aparição desde que fugiu do Japão, no dia 30 de dezembro de 2019. Carlos Ghons durante coletiva de imprensa em Beirute, no Líbano
Mohamed Azakir/Reuters
Em sua primeira aparição desde que fugiu do Japão, o ex-presidente da aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn, reforçou nesta quarta-feira (8) sua inocência durante uma entrevista coletiva em Beirute, no Líbano.
De acordo com o brasileiro, os “princípios dos direitos humanos foram violados” com sua prisão e a justiça japonesa segurou seus documentos de defesa. “Fui brutalmente retirado de minha família”, disse o empresário.
Para ele, a redução do desempenho da Nissan, no início de 2017, causou uma perseguição contra ele e os japoneses da Nissan desejavam mais autonomia – a solução, segundo Ghosn, foi tirá-lo.
Esta matéria está em atualização.