Cannes 2021 terá filme brasileiro ‘O Marinheiro das Montanhas’ na mostra ‘Sessões Especiais’


Após modificações de data e cancelamento em 2020, Festival de Cannes anunciou nesta quinta-feira (3) os filmes selecionados para um dos principais eventos internacionais de cinema.
Karim Ainouz, diretor de ‘A Vida Invisivel de Euridice Gusmao’, recebe o prêmio da mostra Um Certo Olhar em Cannes 2019
Reuters
O 74° Festival de Cannes acontece de 6 a 17 de julho, ainda com muita expectativa por causa da pandemia. Até lá, pelo calendário oficial de flexibilização das restrições sanitárias na França, a vida terá ares normais.
Mas os organizadores garantem que vai haver postos de vacinação e testes rápidos de saliva. A Palma de Ouro vai ser disputada por 24 filmes e o presidente do júri será o norte-americano Spike Lee.
Muitos dos diretores são veteranos, como os franceses Leos Carax,  François Ozon, Jacques Audiard, os americanos Wes Anderson e Sean Penn, o holandês Paul Verhoeven, o iraniano Asghar Farhadi e o italiano Nanni Moretti. Dos 24 selecionados para o grande prêmio, apenas quatro foram dirigidos por mulheres (Julia Ducournau, Catherine Corsini, Mia Hansen-Love e Ildiko Enyedi).
Um romance entre Brasil e Argélia
O brasileiro Karim Ainouz, vencedor em 2019 do prêmio Um Certo Olhar, com “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”, volta agora com “O Marinheiro das Montanhas”, na mostra “Sessões Especiais”.
Para tecer a narrativa, Ainouz se baseou na história de seus pais, Iracema, uma brasileira, e Majid, um argelino, que se conheceram nos Estados Unidos. Eles se separaram em 1965, quando ele retornou à Argélia e ela, ao Brasil, grávida. Karim só conheceu o pai aos 20 anos. O filme é um inventário afetivo dessa relação, disse o diretor em uma entrevista.
Karim Ainouz, 55 anos, hoje mora em Berlim e ganhou notoriedade com “Madame Satã”, em 2002. Com “Praia do Futuro” (2014), estrelado por Wagner Moura, ele concorreu ao Urso de Ouro de Berlim. Ainouz também dirigiu “O Céu de Suely” (2006), “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te amo” (2010) com codireção de Marcelo Gomes, entre outros.
Palma de Ouro de Cannes: veja concorrentes
Na coletiva de imprensa pela manhã, Pierre Lescure e Thierry Fremaux, respectivamente presidente e delegado-geral do festival, anunciaram os filmes selecionados e responderam às perguntas dos jornalistas. A cinco semanas do evento, ainda há muitos nomes de convidados para confirmar, principalmente presenciais. Tudo dependerá da situação sanitária. Frémaux pediu “prudência”, lembrando que a epidemia da Covid-19 ainda não foi “derrotada”.
No escurinho do cinemaO festival de Cannes anunciou novas salas, entre as novidades. Sobre a ausência de filmes da plataforma Netflix, Frémaux disse que dois longas foram cogitados, mas a empresa americana não aceita a exigência de Cannes, a partir de 2017, de que todos os concorrentes passem obrigatoriamente em salas francesas.
Antes disso, dois filmes da gigante, Okja, de Bong Joon-ho, e The Meyerowitz Stories, de Noah Baumbach, foram apresentados em competição, mas não nos cinemas, alimentado as disparidades. Outros festivais se renderam ao fenômeno. “Roma”, do mexicano Alfonso Cuáron, ganhou o Leão de Ouro em Veneza, em 2018, entre outros prêmios, mas teve exploração mínima em salas de cinema.
Entre os longas fora de competição estão os aguardados “De Son Vivant”, de Emmanuelle Bercot,  que teve filmagem interrompida por causa da hospitalização de Catherine Deneuve após um AVC, e “Stillwater”, um Thriller de Tom McCartny, filmado em Marselha, com Matt Damon e Camille Cottin.
Os concorrentes à Palma de Ouro de Cannes 2021 são:
“Annette” de Leos Carax, França
“The French Dispatch” de Wes Anderson, Estados Unidos
“Benedetta” de Paul Verhoeven, Holanda
“A Hero” de Asghar Farhadi, Irã
“Tout s’est Bien Passe” (Everything Went Well) de Francois Ozon, França
“Tre Piani” (Three Floors) de Nanni Moretti, Italia
“Titane” (Titan) de Julia Ducournau, França
“Red Rocket” de Sean Baker, Estados Unidos
“Petrov’s Flu” de Kirill Serebrennikov, Rússia
“Par un Demi Clair Matin” (France) de Bruno Dumont, França
“Nitram” de Justin Kurzel, Austrália
“Memoria” de Apichatpong Weerasethakul, Tailândia
“Lingui” de Mahamat-Saleh Haroun, Chade
“Les Olympiades” (Paris 13th District) de Jacques Audiard, França
“Les Intranquilles” (The Restless) de Joachim Lafosse, Bélgica
“La Fracture” de Catherine Corsini, França
“The Worst Person in the World” de Joachim Trier, Noruega
“Compartment No 6” de Juho Kuosmanen, Finlândia
“Casablanca Beats” de Nabil Ayouch, França-Moroccos
“Ahed’s Knee” de Nadav Lapid, Israel
“Drive My Car” de Ryusuke Hamaguchi, Japão
“Bergman Island” de Mia Hansen-Love, França
“The Story of My Wife” de Ildiko Enyedi, Hungria
“Flag Day” de Sean Penn, Estados Unidos