Cães e gatos podem ser vegetarianos? Veterinários explicam


Dieta alternativa precisa ser acompanhada por profissional. Bichinhos podem sofrer com falta de nutrientes, principalmente gatos. ‘Cão vegetariano’ virou hit na web após olhar vidrado em brócolis
Reprodução/Imgur/CeddyMai
No Reino Unido, manter um pet com uma dieta vegetariana pode levar a prisão e multa de até 20 mil libras. O assunto começou a pipocar depois que o piloto Lewis Hamilton contou que seu cão passou a comer alimentos à base de frutas e vegetais.
No Brasil, não há uma lei que proíba ou puna donos e tutores de adotarem uma alimentação vegetariana para seus bichinhos, mas veterinários ouvidos pelo g1 não recomendam a prática.
“Alguns estudos mostram que, de maneira geral, as alimentações vegetarianas, mesmo as comerciais, têm risco de deficiência nutricional para os cães e gatos”, alerta Fabio Alves Teixeira, doutor pela Universidade de São Paulo (USP) e fundador da Sociedade Brasileira de Nutrição e Nutrologia de Cães e Gatos do Colégio Brasileiro de Nutrição Animal.
Os animais precisam receber, todos os dias, de 35 a 40 nutrientes, entre eles vitaminas, minerais, aminoácidos e ácidos graxos. Teixeira explica que o alimento em si não é tão importante, “o que importa é saber se esses nutrientes estão na composição dos alimentos”.
Ele diz que, com o aumento da adoção da alimentação alternativa (feita em casa) sem acompanhamento de um veterinário ou zootecnista, passou a atender muitos bichinhos com deficiências nutricionais de cálcio, vitamina D e amina, por exemplo.
“Isso acontecia quando os cães comiam restos de comida, mas o problema ressurgiu com essa alimentação alternativa. Hoje os donos dão alimentos de alto custo (quinoa, filé mignon, batata doce), mas faltam nutrientes.”
Diferenças entre cães e gatos
Imagem mostra quatro animais: da esquerda para a direita, um gato, dois cachorros e um gato.
Pixabay
Há diferenças entre cães e gatos. Os cachorros conseguem utilizar proteínas de origem vegetal, segundo Teixeira, desde que se consiga fazer “um bom balanço de aminoácidos (partículas importantes das proteínas)” e utilizar produtos lácteos ou à base base de ovo.
Já os gatinhos são essencialmente carnívoros e não aproveitam tão bem os nutrientes dos vegetais. Têm alguns nutrientes, como vitamina A e alguns tipos de gordura, que não conseguimos fornecer se não forem de origem animal ou sintética para os gatos”, diz Teixeira.
Mas o maior problema que pode ocorrer aos gatos é a deficiência da taurina. É da proteína animal que eles conseguem esse aminoácido sulfurado fundamental para atividades fisiológicas, mas que eles produzem em baixíssima quantidade.
Sem a taurina, eles podem ter doenças cardíacas, de retina e reprodutivas, explica Jade Petronilho, veterinária da Petlove.
O que seu animal precisa comer
Cada animal consome um tipo de ração, por isso você deve optar pela que mais combina com o seu pet
Special Dog Company/Divulgação
Para fornecer todos os nutrientes importantes para o seu bichinho, há alguns tipos de alimentos que não podem faltar:
Proteína: Ela pode vir de de origem animal e vegetal. Nas rações, está presente, principalmente, por meio das vísceras ou farinha de carne e ossos;
Carboidrato: Milho, arroz, trigo;
Gordura: Nas rações, presente por meio de óleo de peixe (ômega 3), óleos vegetais (ômega 6) e algumas gorduras de origem animal;
Vitaminas e minerais: Cálcio, fósforo, zinco, potássio, sódio, ferro, misturas vitamínicas (A, complexo B, D, E, K).
A composição é importante, mas o equilíbrio entre os nutrientes é essencial. “Os ingredientes e a quantidade de cada um deles deve ser seguida à risca. Esse tipo de dieta (alternativa) sempre requer suplementação, pois quando oferecemos nossos alimentos comuns, por mais balanceada que seja a dieta, ainda existe um déficit de alguns elementos básicos e fundamentais”, explica Petronilho.
Saiba como identificar, prevenir e tratar câncer de mama em cadelas e gatas