Caçadores são presos dentro de parque nacional em Santa Catarina

Os sete homens foram soltos após decisão judicial, mas terão de usar tornozeleira eletrônica e ficarão impedidos de entrar no parque. Um grupo de sete amigos foi preso no último sábado (18) portando materiais para caça de animais silvestres dentro do Parque Nacional da Serra do Itajaí, em Santa Catarina, segundo informações do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Eles foram soltos na noite deste domingo após decisão judicial.
O grupo descumpriu as orientações de distanciamento social em meio à pandemia de Covid-19 e se reuniu em um lugar afastado na floresta para tomar cerveja, comer e caçar animais. Eles não contavam, no entanto, que o local já integrava o sistema de informações das autoridades ambientais, que fizeram o flagrante.
Os homens foram localizados em um rancho dentro do parque, na localidade de Encano, no município de Indaial. O parque é uma unidade de conservação federal onde são proibidas quaisquer atividades que possam causar danos à fauna, à vegetação nativa e aos recursos hídricos, mesmo nas propriedades que não foram ainda indenizadas.
O comboio de viaturas da polícia se deparou uma caminhonete Range Rover com placas de Joinville antes mesmo de chegar no rancho, ainda na estrada. No interior do veículo, havia pistolas e carabinas de pressão. Os quatro ocupantes do veículo foram apresentados à Polícia Civil de Blumenau.
Enquanto isso, outros membros da força-tarefa conseguiram realizar a abordagem dos caçadores, depois de passar por duas porteiras fechadas com cadeados.
Armas e carcaça de animais apreendidos
Junto com os 7 caçadores foram apreendidos 2 rifles, 1 espingarda, 1 armadilha, 2 rádio-comunicadores, 3 carcaças de animal silvestre (tatu – Dasypus novemcinctus), dezenas de munições intactas e deflagradas, além de facas, facões e lanternas. Um dos animais silvestres já estava sendo servido como “iguaria” com arroz e aipim cozido.
Os caçadores, com idades entre 26 e 68 anos, vão responder a dois processos diferentes. Na esfera criminal, estão sujeitos à penas que podem ultrapassar 4 anos de reclusão, além de multa. Na esfera administrativa as multas aplicadas pelo ICMBio variaram de R$ 1 mil a R$ 3 mil para cada um dos autuados.
A Justiça Federal homologou o flagrante realizado pelo Delegado da Polícia Federal de Itajaí, e os envolvidos foram encaminhados ao presídio.
Na noite deste domingo (19), após manifestação do Ministério Público Federal, a Justiça determinou a liberdade provisória de todos os caçadores, com o cumprimento de medidas cautelares: uso de tornolozeira eletrônica e a proibição de entrarem no Parque Nacional da Serra do Itajaí.
A operação foi empreendida por uma força-tarefa composta por agentes federais do ICMBio e por policiais do 2ºPel./2ªCia. da Polícia Militar Ambiental e do 10º Batalhão da Polícia Militar de Blumenau.