Bovespa opera em forte queda após retaliação da China em guerra comercial com EUA

Na sexta-feira, o Ibovespa caiu 0,58%, aos 94.257 pontos. Na semana passada, a baixa foi de 1,82%. Guerra comercial: termina sem acordo negociação entre EUA e China
O principal indicador da bolsa paulista, a B3, opera em forte queda nesta segunda-feira (13), de olho na guerra comercial entre Estados Unidos e China, após Pequim anunciar que também elevará tarifas sobre produtos dos EUA depois de Washington elevar na sexta-feira tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses.
Às 10h50, o Ibovespa caía 1,68%, a 92.672 pontos. Veja mais cotações. No início do pregão, o indicador chegou a cair mais de 2%.
As ações com maior relevância no índice – Petrobras, Vale, Itaú Unibanco e Bradesco – tinham queda ao redor de 1%.
A guerra comercial também afetava a cotação do dólar, que opera em forte alta, chegando a bater R$ 4.
Na sexta-feira, o Ibovespa caiu 0,58%, aos 94.257 pontos. Na semana passada, a baixa foi de 1,82%.
Guerra comercial
A China anunciou nesta segunda que elevará tarifas sobre produtos dos EUA depois de Washington elevar na sexta-feira tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses.
A China declarou ainda que nunca vai se render a pressões externas. Já o presidente Donald Trump alertou nesta segunda a China a não retaliar contra o aumento nas tarifas que ele impôs na semana passada e disse que os consumidores norte-americanos não vão pagar por qualquer aumento nas taxas.
A guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo se intensificou na sexta-feira, com os Estados Unidos elevando as tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses depois que Trump disse que Pequim “quebrou o acordo” ao voltar atrás em compromissos anteriores feitos durante meses de negociações.