Bolsonaro determina, e Petrobras desiste de aumento do preço do diesel nas refinarias


Estatal chegou a anunciar que o valor médio do litro do combustível iria subir 5,74% a partir de sexta-feira A Petrobras desistiu na noite desta quinta-feira (11) do aumento do preço do diesel nas refinarias anunciado mais cedo, após determinação do presidente Jair Bolsonaro. A estatal afirmou há margem para postergar o aumento por “alguns dias”.
No início da tarde, a estatal chegou a informar que o valor médio do litro do combustível nas refinarias iria subir 5,74%, de R$ 2,1432 para R$ 2,2662, a partir desta sexta-feira.
Na tabela disponível no site na estatal na noite desta quinta, no entanto, o preço do litro do diesel segue em R$ 2,1432, o mesmo valor praticado desde 22 de março.
Depois do anúncio do aumento do valor do combustível, o presidente Jair Bolsonaro determinou que a companhia revisasse a alta no preço do combustível.
O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o diesel é importante para os caminhoneiros e para o transporte o transporte de cargas. Também afirmou que um reajuste maior seria um solavanco na economia.
Em comunicado, a companhia informou que “em consonância com sua estratégia para os reajustes dos preços do diesel divulgada em 25/3/2019, revisitou sua posição de hedge e avaliou ao longo do dia, com o fechamento do mercado, que há margem para espaçar mais alguns dias o reajuste no diesel”.
Reajuste mais longo
Em 26 de março, a companhia anunciou que os preços do diesel serão reajustados por períodos não inferiores a 15 dias. Desde então, a petroleira vinha reajustando o combustível em intervalos menores, desde o fim do programa de subsídios lançado pelo governo após a greve dos caminhoneiros.
No ano passado, o governo anunciou o fim do programa de subvenção do diesel instituído pela União.
Tabela com preço reajustado
Tabela com o preço reajustado do diesel
Petrobras/Reprodução