Bolsonaro afirma que não quer e não pode intervir em política de preços da Petrobras, diz porta-voz

Presidente se reuniu com ministro e com representantes da estatal para tratar de preço do diesel. Na semana passada, empresa suspendeu reajuste após intervenção de Bolsonaro. Governo anuncia série de medidas em favor dos caminhoneiros
O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, disse nesta terça-feira (16) que o presidente Jair Bolsonaro afirmou, durante reunião no Palácio do Planalto, que “não quer” e “não pode” intervir na política de preços dos combustíveis adotadas pela Petrobras.
Na semana passada, o valor das ações da Petrobras caiu depois de Bolsonaro suspender um reajuste de 5,7% no preço do diesel anunciado pela estatal. Apenas na sexta, a empresa perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado.
A determinação de Bolsonaro também fez crescer no mercado os temores de que o governo federal possa voltar a intervir em decisões da Petrobras, como ocorria, por exemplo, no governo das ex-presidente Dilma Rousseff.
Em entrevista na semana passada, Bolsonaro admitiu que telefonou para o presidente da Petrobras para pedir esclarecimentos sobre o reajuste, o que ocorreu na reunião desta terça no Planalto.
“Uma frase que o nosso presidente disse logo no início da reunião, ou seja: ‘eu não quero e não tenho direito de intervir na Petrobras. Eu não quero e não posso intervir na Petrobras'”, relatou o porta-voz.
“Eu não quero, por questões de conceito dele, e eu não posso, por questões legais e até mesmo questões políticas”, completou Rêgo Barros.
O porta-voz fez o relato após entrevista dos ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e da Economia, Paulo Guedes, que também participaram da reunião que discutiu a política de reajustes da Petrobras. Os ministros afirmaram que a decisão sobre valor e momento dos reajustes será da estatal.
Sinalização aos caminhoneiros
Mais cedo nesta terça-feira, o governo federal anunciou uma linha de crédito de até R$ 30 mil, via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para caminhoneiros autônomos. Também anunciou o investimento de R$ 2 bilhões para melhorias em rodoviais.
De acordo com o ministro Onyx Lorenzoni, serão liberados R$ 500 milhões na linha de crédito, que poderá ser acessada pelos caminhoneiros, primeiro, nos bancos públicos (Banco do Brasil e Caixa) e, depois, nos “demais bancos e cooperativas de crédito de todo o Brasil.”
O objetivo das medidas é atender a demandas de caminhoneiros. No ano passado, a categoria promoveu uma paralisação que provocou desabastecimento em todo o país.