‘Birdnesting’: a modalidade de divórcio em que os pais revezam de casa, e não os filhos


Divorciados da geração millennial estão cada vez mais mantendo os filhos na antiga casa da família, enquanto eles entram e saem da propriedade. Divorciados da geração millennial estão cada vez mais mantendo os filhos na antiga casa da família, enquanto eles entram e saem da propriedade
Getty Images via BBC
Uma separação é sempre difícil, especialmente se há filhos envolvidos no processo.
E com várias pesquisas internacionais sugerindo como o divórcio pode ser desconcertante para crianças e adolescentes, alguns pais estão recorrendo a uma solução inovadora para tentar facilitar o processo.
‘Birdnesting’ ou ‘nesting’ (termos em inglês que remetem ao ninho dos pássaros) é um estilo de vida que permite que as crianças permaneçam na “casa da família” e passem o tempo relativo a cada um dos pais lá.
Cada responsável fica na casa durante o período que cabe a ele na guarda dos filhos acordada no divórcio — e vai para outro lugar quando está “de folga”.
O conceito tem esse nome por causa dos pássaros, que mantêm seus filhotes a salvo em um ninho e, alternadamente, entram e saem voando para cuidar deles.
“Queríamos manter a estabilidade das crianças, e não simplesmente desfazer tudo de uma vez”, conta Niklas Björling, de 38 anos, de Estocolmo, cuja família adotou essa modalidade por oito meses depois que ele e a mulher se separaram.
“As crianças podiam manter sua casa, a escola e os amigos como antes”, ele explica, além de evitar o estresse de se deslocar de uma casa para outra.
Embora ainda seja um conceito relativamente desconhecido globalmente, o birdnesting parece estar aumentando nos países ocidentais, principalmente entre famílias de classe média.
Advogados especializados em divórcio observaram um aumento na prática em países como Estados Unidos, Austrália e Holanda.
Um estudo recente da Coop Legal Services, no Reino Unido, sugeriu que 11% dos pais divorciados ou separados já experimentaram a estratégia.
Na Suécia, onde a guarda compartilhada dos filhos é comum há décadas, alguns pais divorciados já revezavam de casa na década de 1970.
(As estatísticas oficiais são difíceis de se obter, uma vez que não há como marcar esta opção de estilo de vida no censo ou em pesquisas domiciliares.)
Björling ficava no quarto de hóspedes da casa da mãe durante o tempo em que não estava com os filhos, enquanto sua ex-mulher alugava um quarto em uma casa compartilhada.
Os mais abastados podem optar por comprar apartamentos individuais, investir em uma segunda propriedade compartilhada ou converter parte da casa principal em um anexo para quem “está de folga”, diz a terapeuta Ann Buscho, da Califórnia, que escreveu um livro sobre nesting.
Para muitos, é um “arranjo transitório ou temporário”, mas alguns de seus clientes praticam birdnesting há anos.
No entanto, à medida que mais famílias começam a abraçar o conceito, os especialistas se dividem sobre o impacto tanto em relação às crianças quanto aos pais.
O que está por trás da moda do ‘birdnesting’?
Buscho diz que é importante entender o contexto por trás da tendência, incluindo a influência de celebridades nos divorciados da geração millennial.
A atriz Anne Dudek (do seriado “Mad Men”) e o artista Matthew Heller tornaram seu birdnesting público após se divorciarem, em 2016, e foi dito que a atriz Gwyneth Paltrow estava frequentemente na casa que costumava dividir com o músico Chris Martin, muito depois de terem se separado.
Niklas Björling diz que ele e a ex priorizaram a estabilidade das crianças quando se separaram
Niklas Björling/Arquivo pessoal
“Acho que a ‘separação consciente’ de Gwyneth Paltrow teve um grande efeito aqui. Eles fizeram uma espécie de nesting modificado. E só a noção de divórcio com respeito e mais gentileza acho que teve um grande impacto nas pessoas”, avalia Bushco.
Programas de TV recentes também podem ter causado impacto. O sitcom americano Splitting Up Together mostrou uma família que fazia nesting usando a garagem como “casa de folga” dos pais, e houve uma trama sobre birdnesting na série Billions.
“Há apenas mais consciência sobre o fato de que é uma opção disponível para as pessoas”, acrescenta Ben Evans, advogado sênior de direito de família da Coop Legal Services, no sudoeste da Inglaterra.
Alguns casais também são atraídos pelo birdnesting porque pode ser uma solução mais econômica, por exemplo, reduzindo as taxas judiciais ou adiando os impostos relacionados à venda da casa, de acordo com Stephen Williams, advogado especializado em direito de família que é sócio de outro escritório britânico, o Ashtons Legal.
Mas ele acredita que a principal motivação é um aumento mais generalizado da conscientização sobre a saúde mental das crianças, o que levou mais pais a considerarem o potencial de arranjos alternativos à guarda dos filhos.
“As pessoas estão muito mais esclarecidas sobre a necessidade de pensar sobre o desenvolvimento dos filhos”, diz ele.
“Acho que é uma evolução muito, muito boa, basicamente, porque muitas vezes essas questões eram colocadas em segundo plano, e eram as separações frequentemente problemáticas dos pais que vinham à tona.”
‘Birdnesting’ é de fato melhor para as crianças?
Sejam quais forem os motivos pelos quais ex-casais estão adotando o birdnesting, é complicado avaliar sua eficácia.
Como é uma tendência relativamente nova na maioria dos lugares, não há dados comparativos sobre o bem-estar das crianças nesse tipo de família em comparação com outras configurações domésticas.
Buscho entrevistou dezenas de famílias que praticavam nesting para sua pesquisa, e ela própria adotou a modalidade por uma temporada de 15 meses com o ex-marido e três filhos na década de 1990.
Ela acredita fortemente que é mais saudável para as crianças, pois permite que mantenham as rotinas existentes e se adaptem aos poucos às mudanças na família.
“Se você perguntar às crianças, elas sempre vão dizer que divórcio não é divertido. Elas não sabem o que é se divorciar sem nesting”, afirma. “Mas o que elas vão dizer é que ‘nossos pais carregaram o fardo do divórcio, e nós não precisamos fazê-lo’.”
Essa é uma perspectiva compartilhada por Linnea Andersdotter, que agora tem 36 anos.
Ela viveu em um arranjo familiar de birdnesting, em Estocolmo, por vários anos, depois que seus pais se separaram quando ela tinha 11 anos.
“Pareceu uma coisa muito dramática quando eles disseram que iriam se separar, e quando descobri que não precisava me mudar, isso realmente me ajudou a não pirar com a situação”, diz ela.
“Fui meio que mantida em uma pequena bolha de segurança enquanto eles estavam resolvendo as coisas da separação.”
Eline Linde conta que, quando criança, achou a experiência de ‘birdnesting’ confusa
Eline Linde/Arquivo pessoal
Mas os críticos argumentam que isso pode criar uma situação de “casa de reabilitação”, que não ajuda as crianças a processarem a realidade da separação dos pais.
Eline Linde, que vivia em uma casa de nesting perto de Oslo (Noruega) quando era adolescente, diz que achou a experiência “estranha e confusa”.
“Eu não sabia se era a casa da minha mãe ou do meu pai, ou se eles estavam pensando se iam voltar a ficar juntos”, lembra a jovem de 28 anos.
“Acho que devemos realmente ter cuidado ao exaltar a ideia”, concorda Malin Bergström, psicóloga infantil e cientista do Karolinska Institute, em Estocolmo.
“É uma forma de proteger a criança e protegê-la da realidade, basicamente. Acho que é uma ameaça à saúde mental”.
Ela argumenta que “enfrentar desafios junto” com os pais, como sair da casa da família, pode dar aos filhos as ferramentas “para se tornarem adultos resilientes que são capazes de lidar com as coisas no futuro”.
Bergström também questiona a suposição de que o birdnesting é menos estressante para as crianças do que ter que se deslocar entre duas moradias.
Ela participou de vários grandes estudos do Center for Health Equity Studies em Estocolmo que sugeriram que havia muito pouca diferença na saúde mental das crianças em arranjos de guarda compartilhada tradicionais, em comparação com aquelas que viviam em uma família nuclear tradicional com dois pais.
E o impacto sobre os pais?
O impacto do birdnesting sobre os pais também é controverso. O advogado de família Ben Evans acredita que a prática funciona para alguns casais porque pode ajudar a “ganhar um pouco de tempo e aliviar a pressão sobre eles”.
Ambas as partes podem ponderar sobre os passos futuros, ele argumenta, e evitar decisões precipitadas ou dispendiosas.
Buscho diz que um período de nesting também oferece “espaço para respirar”, para ajudar os ex-parceiros a descobrir como querem que seja o plano de coparentalidade no longo prazo, ou pode até mesmo facilitar uma possível reconciliação.
Mas Bergström argumenta que o birdnesting pode ter um impacto psicológico negativo sobre os pais divorciados, impedindo sua capacidade de superar o rompimento.
“O impulso natural após o divórcio, sendo pai ou mãe, é criar sua própria vida, enfrentar, seguir em frente”, diz ela.
“E acho que o birdnesting atua contra essa necessidade.”
Åse Levin, uma designer gráfica de 50 anos de Estocolmo, diz que isso aconteceu com ela quando tentou fazer nesting por seis meses depois de se separar.
O casal se revezava entre o mesmo apartamento de um quarto alugado quando estava longe dos dois filhos.
“Sei que nós dois tínhamos muita ansiedade por estar naquele apartamento… você não tinha suas coisas, então não era um lugar aconchegante para ir”, ela lembra.
“Você está preso em um tipo de bolha ou algo assim, não pode fazer nada. Não pode seguir em frente.”
No fim das contas, o ex dela ficou no antigo apartamento, e seu pai a ajudou a comprar uma pequena casa perto.
Embora o nesting possa reduzir as mudanças na vida das crianças, também cria novos desafios logísticos para os adultos — desde adotar novas rotinas para as tarefas domésticas até descobrir o que fazer se alguém começar a namorar.
“Uma cliente chegou em casa e encontrou um preservativo usado no quarto quando estava na vez dela. Não deu muito certo”, diz Buscho.
“É preciso haver acordos bem definidos.”
Bodil Schwinn diz que o ‘birdnesting’ está funcionando bem para ela e o ex
Bodil Schwinn /Arquivo pessoal
Bom relacionamento com o ex é essencial
“Você precisa ter um bom relacionamento com seu ex”, concorda Bodil Schwinn, de Sollentuna, na Suécia, que faz nesting há dois anos e planeja manter o arranjo por pelo menos mais 18 meses.
Ela e o ex-parceiro dividem o custo de uma faxineira para a casa da família e reabastecem a geladeira à medida que precisa.
“Nunca discutimos coisas como ‘você comprou carne’ ou ‘você comeu minha carne ou meu queijo’, apenas lidamos com isso”, diz Schwinn.
Ela impôs o limite de que não queria a nova namorada do ex dormindo em sua cama quinzenal compartilhada, então eles concordaram em converter o escritório em um novo quarto.
“Muita gente acha que isso é muito estranho, mas estou bem com isso. Estou feliz que ele esteja feliz e tenha encontrado alguém.”
O futuro do ‘nesting’
O advogado de família Stephen Williams acredita que o birdnesting não é uma solução conveniente para todo mundo — e diz que os pais recém-separados não devem se sentir pressionados a entrar no movimento.
Para começar, alguns casais não terão recursos financeiros ou redes de apoio para encontrar acomodação alternativa para o tempo de ‘folga’.
Ele também diz que não será a melhor opção se ainda houver um alto nível de conflito, se um dos pais não for capaz de se comprometer com o acordo ou se este simplesmente não parecer adequado.
“A meu ver, o birdnesting é apenas uma de uma série de intervenções positivas que podem ajudar os pais a cuidar de seus filhos após a separação”, afirma.
Mas os defensores do nesting esperam que a prática se torne mais comum.
Buscho lembra que a coparentalidade entre pais divorciados parecia radical na década de 1950, mas agora é amplamente aceita como uma opção positiva para muitas famílias, então os críticos não devem descartar o movimento de birdnesting, mesmo que atualmente pareça uma ideia de nicho.
“Minha esperança é que no futuro, à medida que a consciência em relação ao nesting cresça, se torne uma rotina, que as pessoas comecem seu processo de separação com um período de nesting de alguns meses ou até mais.”
Em Estocolmo, Niklas Björling está desfrutando agora de um novo capítulo em um pequeno apartamento alugado, a uma curta distância de carro de sua ex-mulher, que ele divide com os filhos a cada duas semanas, e com sua nova namorada quando eles não estão por perto.
Ao refletir sobre a experiência de nesting que teve anteriormente, ele diz:
“Não me arrependo de ter feito… Mas você quer ficar totalmente livre depois de um tempo.”