Biomédica de Campinas alerta para bactérias em bebidas geladas no verão e carnaval: ‘Gelo, só em casa’


Gelo pode conter bactérias e gerar doenças. Especialista aponta para riscos do consumo de gelo feito com água imprópria
O alto consumo de gelo no período do verão e no carnaval deve vir acompanhado por um alerta contra doenças. É o que aponta Renata Araújo, biomédica de Campinas (SP). A especialista garante que, ao utilizar água inapropriada para formar o gelo, o risco da substância servir como abrigo para diversos tipos de bactérias é alto.
Renata desmistifica a crença de que as bactérias não sobrevivem às baixas temperaturas quando congeladas.
“Os micro-organismos apresentam um mecanismo de defesa muito eficaz. Quando a gente congela estes micro-organismos, a gente paralisa o processo de crescimento. Quando acontece o degelo, pode ocorrer a contaminação”, explica.
Especialista aponta para quantidade de bactérias presentes no gelo.
Reprodução/EPTV
Segundo a biomédica, as patologias mais comuns são as doenças intestinais, viroses, febre e indisposição.
“Na dúvida, é melhor evitar. Gelo, só em casa e com os cuidados de higienização”, completa.
Os cuidados, de acordo com a especialista, precisam começar dentro de casa. Antes de colocar a água no freezer, é necessário lavar as mãos antes de manusear a água e lavar bem as formas onde ficará o gelo.
Formas de gelo também devem ser higienizadas.
Reprodução/EPTV
Prevenção
Quem segue essa cartilha é a aposentada Irene dos Santos. Na casa dela, o gelo só é feito com água mineral, que só sai do garrafão depois deste ser devidamente esterilizado.
“Procuro fazer o melhor para tentar ter uma vida mais saudável”, garante.
Veja mais notícias da região no G1 Campinas