Belugas são soltas no primeiro santuário de mar aberto do mundo


Little Grey e Little White viveram em um aquário chinês por muitos anos; elas passaram por um abrigo temporário antes de poder nadar em liberdade no mar da Islândia. Baleias beluga são soltas no primeiro santuário de mar aberto do mundo
Duas baleias-brancas, também conhecidas por belugas, ganharam enfim a liberdade após viver anos em um aquário na China. Little Grey e Little White são, desde sexta-feira (7), as novas moradoras do primeiro santuário de mar aberto do mundo, que fica na Islândia.
O transporte das duas foi quase uma missão impossível. Cada uma delas foi levada ao santuário com a ajuda de um guindaste feito especialmente para as belugas – com uma proteção acolchoada que abraça a mais de uma tonelada que elas podem chegar a pesar.
Beluga encontrada na Noruega reforça tese de que seria treinada ao devolver celular que caiu no mar
Navio sueco recupera ‘canto’ de belugas em gravações perdidas no Oceano Ártico
“Little White e Little Grey são as primeiras, mas certamente não serão as últimas belugas que esperamos ter aqui em Klettsvik”, disse à agência Reuters, Audrey Padgett, responsável pelo santuário marinho.
As baleias-brancas vieram da China no ano passado, mas antes de poder nadar no mar, precisaram passar algum tempo sob o acompanhamento de especialistas para se adaptar a esta nova vida nadando em piscinas cobertas.
As belugas Little Gray e Little White registradas em um abrigo temporário antes de ser liberadas no mar da Islândia
Reprodução/Facebook/SEALIFETrust
As duas baleias também tiveram que se aclimatar para o retorno a um habitat mais natural. Isso incluiu até ganhar peso e engrossar a capa de gordura que as protege das águas frias do oceano ártico. Além disso, aprenderam a reconhecer as diferentes flora e fauna do novo lar.
“Podemos abrigar mais oito baleias beluga aqui, então essas meninas são as embaixadoras deste projeto”, disse Padgett, da Sea Life Trust, sediada no Reino Unido.
Mas ainda não acabou. As duas passam por um processo de adaptação em uma piscina natural na Baía de Klettsvik, onde fica o santuário, perto da ilha Heimaey. Toda a área destinada às baleias-brancas mede aproximadamente 32 mil metros quadrados e tem uma profundidade de até 10 metros.