‘Bebê a bordo’ entra no Globoplay; relembre história de ação e relações afetivas


Novela de Carlos Lombardi foi sucesso na década de 1980. Elenco tinha Isabela Garcia, Dina Sfat, Tony Ramos, Maria Zilda Bethlem e Zé de Abreu. Isabela Garcia e Beatriz Bertu em ‘Bebê a Bordo’, 1988
Nelson Di Rago/Globo
“Bebê a Bordo”, sucesso na década de 1980, estreia nesta segunda (8) no Globoplay. Exibida originalmente no horário das 19h em 1988, a novela de Carlos Lombardi era cheia de ação, mas também falava de relações familiares, maternidade, paternidade e afetividade.
Para quem está ansioso para voltar à história, ou então que ver pela primeira vez, o g1 relembra alguns dos principais momentos da obra, além de curiosidades, com dados do Memória Globo (leia mais ao fim da reportagem).
Márcia Real e Dina Sfat em ‘Bebê a Bordo’, de 1988
Acervo TV Globo
Com texto irreverente e bem-humorado, a história aborda a relação da pequena Helena com Ana (Isabela Garcia), Laura (Dina Sfat) e Tonico Ladeira (Tony Ramos).
Depois de se envolver em um assalto, Ana dá à luz no carro de Tonico, mas a abandona para fugir da polícia. Tonico cuida da menina até Ana voltar para buscá-la.
Isabela Garcia e Leo Jaime em ‘Bebê a Bordo’, 1988
Geraldo Modesto/Memória Globo
Laura, mãe de Ana, também abandonou a filha ainda bebê e decide procurá-la. Ela descobre que tem uma neta e decide lutar pela guarda de Helena.
Bebê a Bordo: Ana tem sua filha em meio ao trânsito
Para aumentar ainda mais a confusão, Ana não sabe quem é o pai de sua filha, e a paternidade da criança é disputada por Zezinho (Leo Jaime), Antônio Antonucci (Rodolfo Bottino) e os irmãos Rei (Guilherme Fontes) e Rico (Guilherme Leme).
Em entrevista ao Memória Globo, Isabela Garcia falou sobre sua primeira protagonista: “A gente trabalhava muito, era um tipo de novela com muita ação. Você tinha que estar muito inteiro em cena, pela maneira como o Lombardi escreve. Tinha dublê. Foi um trabalho espetacular, muito bacana, com cenas de ação incríveis”.
Bebê a Bordo: Heleninha fica com Rei e Rico
Outros personagens
Heleninha faz o elo entre os núcleos. Entre os personagens, estão:
A solteirona Ângela (Maria Zilda Bethlem): reprimida, dedicou a vida a cuidar dos irmãos Zetó (Jorge Fernando) e Caco (Tarcísio Filho). Trabalha como secretária no escritório de Walquíria (Márcia Real) e é apaixonada pela voz de um locutor de rádio, Tonhão (José de Abreu), com quem tem sonhos sensuais.
Seu Tico (Sebastião Vasconcelos), ex-presidiário, pai de Tonhão, Rei (Guilherme Fontes) e Rico (Guilherme Leme). Rei e Rico passaram a morar em uma fábrica desativada após terem sido abandonados pelo pai e pelo irmão mais velho. Por terem apenas um ao outro, desenvolveram laços afetivos muito fortes.
Débora Duarte, Márcia Real e Tony Ramos em ‘Bebê a Bordo’, 1988
Geraldo Modesto/Memória Globo
Branca (Nicette Bruno) e Nero (Ary Fontoura). Branca é mãe de Tonico (Tony Ramos), Ester (Patricya Travassos) e Glória (Françoise Forton). A viúva mimou muito os filhos, e eles ficaram muito dependentes da figura materna.
Nero é sogro de Laura (Dina Sfat). Ele é um ator, há 20 anos afastado da profissão, e que gosta de recitar textos de William Shakespeare de cor. Nero implica com a nora, por quem na realidade tem enorme carinho, e faz tudo para reconquistar Walquíria (Márcia Real), seu grande amor do passado.
Censura
Carla Marins e Guilherme Fontes em ‘Bebê a bordo’
Nelson di Rago/Globo
A novela sofreu cortes da Censura. Algumas cenas com a atriz Carla Marins não foram levadas ao ar. O diretor Roberto Talma precisou ir a Brasília para assegurar a exibição da novela.
A Censura queria liberar a trama para as 21h, mas a emissora havia se programado para exibi-la às 19h. Talma precisou cortar cenas, como a de uma briga, mas conseguiu liberar a novela.
Em entrevista ao Memória Globo, Carlos Lombardi se recorda do problema: “Tinha um censor que não podia ver a Carla Marins que saía cortando, porque ele a achava a coisa mais sensual que já tinha visto na vida.”
Curiosidades
O título foi uma ideia de Boni. Ele não gostou do nome inicial, “A Filha da Mãe”, e sugeriu “Bebê a Bordo”.
A novela foi o último trabalho na televisão da atriz Dina Sfat, que morreu em março de 1989.
Carlos Lombardi escreveu o personagem de Tony Ramos, o Tonico, pensando em dar ao ator um papel que ele nunca tinha vivido até então, o de um rapaz muito ansioso.
A novela foi exibida em Moçambique e Portugal.
Para a realização de algumas cenas externas, foi construído um bairro típico de São Paulo na cidade cenográfica dos Estúdios Globo, no Rio de Janeiro.
‘A Favorita’, ‘A força do querer’, ‘Verdade Secretas’ e mais: as 15 novelas mais marcantes