Banda paraense Móbile Lunar ecoa o rock progressivo dos anos 1970 no primeiro álbum, ‘Feroz’


♪ Formada em 2016, a banda paraense Móbile Lunar lança o primeiro álbum, Feroz, com cinco anos de vida. No disco apresentado nesta quarta-feira, 4 de agosto, André Moska (voz, violão e composições), Alê Brandão (voz, guitarra e composições), Igor Gomide (bateria), Laercio Esteves (guitarra) e Leonardo Vitor (baixo) reúnem dez músicas autorais que, em boa parte, ecoam o rock progressivo dos anos 1970.
Só que seis das dez faixas do álbum já são conhecidas pelos seguidores do grupo. Quatro músicas – Automáticos, Viatrix, Como vão as coisas? e Grande parque – já tinham sido previamente editadas há três anos no EP Frida (2018). Em setembro de 2016, dois anos antes do EP, o quarteto já lançara single com uma outra faixa do álbum, A cidade. Por fim, em março de 2020, a música-título Feroz aportou em outro single.
Capa do álbum ‘Feroz’, da banda Móbile Lunar
Divulgação
De novidade, a rigor, o primeiro álbum do grupo Móbile Lunar apresenta a Intro e as músicas Canção do nosso tempo, Esse astro e Frida, composição que deu nome ao EP de 2018 sem figurar no repertório desse disco.
Na sequência do álbum Feroz, o quarteto programa para 11 de setembro o lançamento do filme Móbile Lunar – Sonhos, registro audiovisual gravado no Teatro do Sesi de Belém (PA). A performance ao vivo da banda no espetáculo é caracterizada como “viagem pela paisagem poética, visual e sonora da Amazônia surreal e concreta”.