Aulas presenciais podem ser seguras com máscaras, distanciamento e outras estratégias, diz órgão de saúde dos EUA


Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) diz que a vacinação dos professores, mesmo que seja importante, segundo o CDC, não deve ser um pré-requisito para a reabertura das escolas. Crianças almoçam em escola de Stamford, em Connecticut (EUA), reaberta na pandemia do novo coronavírus,. Foto de 9 de setembro
John Moore/Getty Images/AFP
O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), principal órgão de saúde pública dos Estados Unidos, disse nesta sexta-feira (12) que o ensino presencial pode ser retomado com segurança com o uso de máscaras, distanciamento social e outras estratégias. A vacinação dos professores, mesmo que seja importante, segundo o CDC, não deve ser um pré-requisito para a reabertura das escolas durante a pandemia de Covid-19.
Coronavírus na escola: o que diz a ciência sobre os riscos da volta às aulas?
A recomendação foi incluída no guia do CDC para o retorno às aulas presenciais nos EUA durante a pandemia. As orientações, no entanto, não avançam além disso: a agência não pode obrigar que os colégios voltem a abrir e os funcionários do órgão de saúde deixaram bem claro que o documento não é uma ordem para que todos voltem às aulas.
As autoridades de saúde dizem que existem fortes evidências de que o ensino presencial pode reabrir, especialmente nas séries iniciais. As recomendações do novo guia inclui as mesmas medidas já apoiadas pelo CDC anteriormente, mas agora deverão ser administradas com mais rigor. Elas deverão ser implementadas consistentemente para manter as escolas em segurança.
As medidas recomendadas incluem a lavagem de mãos, desinfecção das instalações, testes de Covid e rastreamento de contatos com o vírus para evitar novas infecções dentro da escola. O uso de máscara deverá ser cobrado de forma mais enfática.
“Sabemos que a maioria das aglomerações no ambiente escolar ocorre quando há o esquecimento do uso da máscara”, disse uma das diretoras do CDC, Rochelle Walensky. Ela avalia que a vacinação dos professores não deve ser uma condição para a reabertura, mas pondera que pode ser “uma camada adicional de proteção”.
Reino Unido adia volta às aulas em Londres e outras cidades com altos índices de contaminação por Covid-19
Biden sob pressão
As novas orientações do CDC ocorrem justamente enquanto Joe Biden sobre uma pressão para cumprir sua promessa de retorno às aulas presenciais ainda nos primeiros 100 dias como presidente dos Estados Unidos. Nesta semana, a Casa Branca disse que a estratégia será guiada pela ciência.
A diretora do CDC, no entanto, disse que o guia “está livre de interferência política”.
Nos Estados Unidos, há um amplo consenso de que o aprendizado em sala de aula é mais eficaz e que os alunos podem enfrentar isolamento e contratempos em casa. Porém, alguns sindicatos de professores dizem que as escolas não conseguiriam deixar os prédios mais seguros para o retorno.
Os funcionários do CDC enfatizaram que as aulas presenciais não foram identificadas como um fator importante na disseminação do coronavírus no país e que a transmissão entre estudantes é considerada relativamente rara.
O órgão de saúde também informou que a maneira mais segura de abrir as escolas é garantir que haja o mínimo de infectados nas comunidades e pediu que as autoridades locas avaliem cada surto antes de tomar a decisão de retorno às salas de aula.
Cadela fareja espaços sem coronavírus em universidade nos EUA para volta às aulas
VÍDEOS: novidades sobre as vacinas