Artesão transforma restos de árvores em peças exclusivas de madeira na Amazônia


Sucesso do trabalho do artesão Manoel Garrido foi tão grande que interessou o arquiteto Marcelo Rosenbaum e a designer de interiores Fernanda Marques. Ele, inclusive, foi finalista do prêmio Casa Vogue 2021. Artesão transforma resto de árvores em peças exclusivas
Saber usar tudo o que a Floresta Amazônica oferece, sem derrubar nenhuma árvore ou agredir o ecossistema é o principal objetivo dos moradores da Comunidade do Tumbira, no Amazonas. A área, fica às margens do Rio Negro, dentro do Arquipélago de Anavilhanas e de uma Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS). Por lá, todos aprendem que a Floresta vale mais em pé do que no chão. Como é o caso do artesão Manoel Garrido, que encontrou nos restos de árvores o ofício de fazer peças exclusivas de madeira que, inclusive, já ganharam notoriedade país afora.
Em uma pequena marcenaria em frente à comunidade, o artesão passa o dia criando em um pequeno torno adaptado com o motor de um caminhão. As peças são pensadas por ele mesmo e criadas com o auxílio de um dos três filhos. Já a matéria-prima são restos de itaúba, roxinho, argelim e por aí vai.
Peças produzidas por artesão já ganharam notoriedade nacional.
Matheus Castro/G1
“Comecei a fazer coisas pequenas, como, porta-jóias e bases de madeiras, e depois fui aumentando o tamanho e vendo o que dava mais renda. Isso só foi possível depois que eu consegui comprar um torno. E o material que a gente usa são pontas de árvores mortas da mata, aproveitamos também sobra de manejo, raízes de árvores caídas…”
Mas nem sempre a vida foi assim. Isso porque, seu Manoel era carpinteiro naval e desde cedo ajudava o pai na construção de barcos. No entanto, com a criação da Reserva, não pôde mais derrubar as árvores para exercer o ofício passado de geração a geração.
“Desde a minha infância ajudava meu pai na construção de barcos. Era a profissão dele. Trabalhamos por muitos anos, até 2008. Foi quando paramos, e tivemos que procurar outra coisa para sobreviver. Resolvermos fazer tábuas para paredes de casa, para fornecer na comunidade. Tem um estatuto que nada pode ser levado para fora [da comunidade] e aí resolvemos investir nisso”.
Casa e oficina do seu Manoel fica às margens do Rio Negro, em frente à comunidade do Tumbira.
Matheus Castro/G1
No entanto, a situação da família ainda não era boa. Eles precisavam de outra fonte de renda. Foi quando o marceneiro começou a produzir peças com sobras de madeira e restos de manejo ambiental. “Eu comecei a pensar no artesanato, mas só um filho me acompanhou. O outro seguiu na marcenaria. E começou a dar certo, sabe? Uma coisa que se tem por aqui é o bom senso de não retirar para lucrar, mas a gente visa guardar esse lugar”, contou.
E as peças pensadas pelo seu Manoel começaram a chamar atenção dos turistas que frequentavam a comunidade e também da Fundação Amazônia Sustentável (FAS), que o incluiu no programa Girau, que faz a venda dos produtos dos artesãos da comunidade por meio de uma plataforma digital.
O sucesso foi tão grande que interessou o arquiteto Marcelo Rosenbaum e a designer de interiores Fernanda Marques. Os dois desenharam quatro peças e enviaram ao artesão para que ele produzisse. “Eles fizeram os desenhos das peças que seriam encomendadas para ver se a gente conseguia produzir os vasos e deu tudo certo”, explicou.
Matéria-prima para peças é retirada da própria floresta e não agride meio ambiente.
Matheus Castro/G1
As peças ficaram prontas e foram enviadas para São Paulo. Um tempo depois, chegou a notícia de que o conjunto foi transformado em uma coleção que levou o nome da própria comunidade e foi finalista do prêmio Casa Vogue 2021.
“Eu nem me preocupei muito. Fizemos o trabalho e enviamos, mas eu já tinha até esquecido. Quando veio a notícia, ficamos alegres. Não pensava que teria essa repercussão tão boa. Foi uma surpresa e tanto, mas graças a Deus foi um trabalho bem aceito”.
Hoje, seu Manoel se dedica exclusivamente à produção das peças. Segundo ele, um material bem feito custa três dias para ser finalizado e a família, que antes tinha como o ofício a produção de barcos, vive exclusivamente do artesanato e da preservação da natureza.
“É um trabalho que tem um futuro promissor, cheio de esperanças. E a gente fica agradecido pela valorização que as pessoas têm nos dado e é isso. Só tenho a agradecer”, concluiu.
Peças são vendidas na plataforma Girau, da FAS.
Matheus Castro/G1