Arnaldo Antunes cai com Curumin no samba de Tom Zé ao entrar na onda de tributo fonográfico ao compositor


André Abujamra, Leoni, Luana Carvalho, Júlia Vargas, Vanguart e Zé Manoel também integram o elenco do disco idealizado por Patricia Palumbo para festejar os 85 anos do artista baiano. Arnaldo Antunes canta o samba ‘Tô’ no disco ‘Uma onda para Tom Zé’
Márcia Xavier / Divulgação
♪ É natural que Arnaldo Antunes tenha sido um dos primeiros artistas a confirmar presença no tributo fonográfico Uma onda para Tom Zé, idealizado e produzido com curadoria de Patricia Palumbo para festejar os 85 anos completados pelo artista baiano em 11 de outubro.
Embora haja conexões semióticas que aproximam os cancioneiros singulares de Arnaldo Antunes e Tom Zé, inclusive pela relação poética e linguística entre música e imagem recorrente nas obras dos dois compositores, o artista paulistano até então tinha gravado somente uma música do octogenário baiano.
Trata-se de Xiquexique, espécie de arrastão de clima forrozeiro, composto por Tom Zé com José Miguel Wisnik para a trilha sonora de Parabelo (1997), espetáculo de dança do Grupo Corpo.
Música gravada originalmente para o CD de 1997 que perpetuou em disco a trilha do balé Parabelo, Xiquexique ganhou a voz de Arnaldo Antunes no registro feito por Tom Zé para o álbum Com defeito de fabricação (1998), editado um ano depois do disco com a música do espetáculo do Grupo Corpo.
Decorridos 23 anos, Arnaldo entra na onda do tributo fonográfico a Tom Zé e, ao lado do baterista Curumin, cai no samba Tô (1976), dando voz a essa parceria de Tom Zé com o compositor carioca Elton Medeiros (1930 – 2019), apresentada no álbum Estudando o samba (1976).
Capa do single ‘Só (Solidão)’, gravado por Luana Carvalho para o álbum ‘Uma onda para Tom Zé’
Divulgação
Uma das dez faixas do tributo Uma onda para Tom Zé, disco previsto para ser lançado na íntegra em 2022, a gravação de Tô por Arnaldo Antunes e Curumin ainda permanece inédita.
Antes, o público vai poder ouvir o registro de Só (Solidão) (Tom Zé, 1976), feito por Luana Carvalho – com os toques dos músicos Domenico Lancellotti e Pedro Sá – para rebobinar o samba apresentado pelo compositor no mesmo antológico álbum de 1976 Estudando o samba.
O single Só (Solidão) com a gravação de Luana Carvalho tem lançamento programado para 11 de novembro e sai um mês após o single que anunciou o tributo em outubro com a gravação de Se o caso é chorar (Tom Zé, 1972) por John Ulhoa e Fernanda Takai.
Título inaugural do selo Rádio Vozes, o álbum Uma onda para Tom Zé também tem confirmados no elenco os nomes de André Abujamra, Arthur Nogueira, Duda Brack, Júlia Vargas, Leoni, Vanguart – banda presente com abordagem de Amar (1992) – e Zé Manoel.
Capa do single ‘Se o caso é chorar’, de Fernanda Takai e John Ulhoa
Divulgação