Apple e Samsung são notificadas pelo governo novamente após venda de celulares sem carregadores


Empresas dizem que querem promover consumo sustentável, mas Ministério da Justiça e Segurança Pública alega que elas não seguiram orientações para conscientizar clientes sobre o tema. Marcas também foram notificadas em novembro de 2020. Carregador com entrada USB-A (esquerda) e carregador com entrada USB-C (direita).
Reprodução/Apple
O Ministério da Justiça e Segurança Pública afirmou nesta quarta-feira (27) que notificou a Apple e a Samsung por não seguirem orientações para justificar a falta de carregadores em seus celulares. As marcas têm 15 dias para responderem.
As empresas já haviam sido notificadas pelo órgão em novembro de 2020. Elas alegaram que tiraram o carregador das embalagens por conta de uma maior durabilidade dos smartphones e das baterias, além de uma iniciativa para estimular o consumo consciente.
iPhone 13: novo celular da Apple tem quatro modelos; veja novidades
Galaxy S21: relembre o que mudou no celular da Samsung
A partir dessa justificativa, o ministério orientou as fabricantes a adotarem políticas para conscientizar clientes sobre o consumo sustentável, mas disse que as sugestões não foram seguidas.
“Sendo assim, as empresas foram novamente oficiadas para que informem se ainda têm interesse na formalização de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) preventivo, de forma individualizada”, disse o Ministério da Justiça e Segurança Pública.
Segundo a pasta, o TAC determina que Apple e Samsung ofereçam o carregador gratuitamente com seus celulares até criarem iniciativas voltadas ao consumo consciente, o que inclui campanhas informativas e educacionais para os consumidores.
No comunicado, o órgão afirmou que a Samsung adotou uma dessas campanhas por um curto período, mas que ela não cumpriu as medidas sugeridas pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), que faz parte do ministério.
Se as empresas aceitarem o TAC, os termos serão negociados por uma comissão da Senacon. Caso contrário, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), ligado ao ministério avaliará se cabe a abertura de um processo administrativo para aprofundar as investigações.
Apple apresenta o iPhone 13; veja novidades