Após denúncia, Globo de Ouro acrescenta negros e mulheres entre membros


Entre novos integrantes, quase metade é de mulheres e seis são negros. Acréscimos elevam para 105 o total de membros da HFPA. Tina Fey e Amy Poehler apresentam o Globo de Ouro 2021 à distância; Tina está em Nova York e Amy em Beverly Hills
NBC via AP
A Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA) anunciou nesta sexta-feira (1º) que acrescentou 21 membros novos como parte de seus esforços para diversificar a organização que concede os prêmios de cinema e televisão do Globo de Ouro.
Os acréscimos elevam para 105 o total de membros da HFPA. Entre os novos integrantes, quase metade é de mulheres e seis são negros, de acordo com um comunicado da entidade.
Uma investigação do Los Angeles Times publicada em fevereiro revelou que o grupo não tinha negros entre seus 87 membros. O jornal também abordou questões éticas de longa data a respeito do relacionamento estreito entre a HFPA e estúdios de cinema, o que pode ter influenciado a escolha de indicados e vencedores do Globo de Ouro.
A revolta que se seguiu levou a emissora NBC a cancelar a transmissão da edição de 2022 da premiação.
A HFPA prometeu uma série de reformas, inclusive diversificar seus membros e proibir que eles aceitem presentes. Com a nova composição, 18 se identificam como asiáticos, 12 como latinos e nove como originários do Oriente Médio.
O grupo planeja ampliar sua filiação ainda mais no ano que vem, e espera retomar a cerimônia em 2023.
G1 15 anos: Os 15 filmes que se destacaram no cinema