Amazônia: área quatro vezes maior que a cidade de SP está sob risco de queimada na temporada do fogo, diz Ipam


A seca provocada pelo La Niña somada à alta do desmatamento ocorrida desde 2019 é combinação perigosa para incêndios ainda piores que os registrada em 2020. ‘só esperando alguém chegar com o fogo’, afirma instituto. Queimadas na Amazônia em 2020.
GloboNews
Uma área de 5 mil quilômetros quadrados desmatados na Amazônia, correspondente a 5 mil campos de futebol ou quatro vezes a cidade de São Paulo, está sob risco de queimada na temporada do fogo de 2021, com início previsto para julho .
O alerta é de um levantamento do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e do Woodwell Climate Research publicado nesta quarta-feira (30). Segundo os pesquisadores, as áreas desmatadas e ainda não queimadas desde 2019 e uma seca intensa provocada pelo fenômeno La Niña indicam atenção especial para a ocorrência do fogo na Amazônia especialmente no sul da região.
“Há quase 5 mil quilômetros quadrados de área, quase quatro vezes o município de São Paulo, com vegetação derrubada e seca só esperando alguém chegar com o fogo. A queimada, nesse caso, é a última etapa do desmatamento, a forma mais barata e rápida de limpar o terreno para seu uso posterior”, diz o levantamento.
Além do tamanho da área vulnerável ao fogo este ano, mais de um terço dessa região está concentrado em apenas dez municípios do Amazonas, Mato Grosso, Pará e Rondônia.
O levantamento também esclarece que o fogo na Amazônia não é natural, mas provocado, principalmente, pelo desmatamento da floresta, e piorado pelas mudanças climáticas.
“Quando as florestas são cortadas, as árvores e os galhos mortos são empilhados para secar, completando o ciclo do desmatamento. Esse fogo, de grande intensidade, pode escapar para florestas e, se combinado a condições secas, causar grandes danos. Tais condições têm se tornado mais frequentes como resultado da combinação dos efeitos locais do desmatamento com as mudanças climáticas globais”, diz o documento.
Moratória do fogo
Um decreto do governo federal publicado na terça-feira (29) suspendeu por 120 dias, a contar de sua publicação, o uso de fogo no território nacional, conforme o previsto no decreto 2.661, de 1998, que trata de práticas agropastoris e florestais.
Apesar da suspensão, o decreto permite uso do fogo nas seguintes hipóteses:
práticas de prevenção e combate a incêndios realizadas ou supervisionadas pelas instituições públicas responsáveis pela prevenção e pelo combate aos incêndios florestais no País;
práticas agrícolas de subsistência executadas pelas populações tradicionais e indígenas;
atividades de pesquisa científica realizadas por Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação – ICT, desde que autorizadas pelo órgão ambiental competente;
controle fitossanitário, desde que autorizado pelo órgão ambiental competente;
queimas controladas imprescindíveis à realização de práticas agrícolas e autorizadas por autoridade ambiental estadual ou distrital, em áreas não localizadas nos biomas Amazônia e Pantanal.
O pesquisador sênior do Ipam, Paulo Moutinho, lembra que o governo federal teve a mesma atitude no ano passado, mas o decreto não serviu para proteger a floresta na prática: os focos de incêndio foram 15% maior em 2020 do que em 2019.
“Se não há atuação forte de controle do desmatamento e do fósforo em campo, a tendência é que a moratória fique no papel”, diz Moutinho.
O novo decreto ocorre em meio ao início do período de seca e de aumento das queimadas tanto na Amazônia como no Pantanal. Este último registrou o maior número de focos de incêndio de sua história – foram 22.116 pontos detectados no ano passado, contra 10.025 registrados em 2019.
Fogo na Amazônia já preocupa
Dados do Instituto de Pesquisa Espacial (Inpe) mostra que a situação já preocupa na Amazônia antes mesmo do início da temporada: em maio, os focos de queimadas registrados no bioma foram 49% maior que o número registrado no mesmo mês de 2020. O número deste ano é ainda 34,5% superior à média histórica do mês.
Bolsonaro diz que não há ‘sequer um hectare de selva devastada’ na Amazônia
Em 2020, a região teve mais de 100 mil focos de queimadas registrados pelo Inpe, o maior em uma década. Em 2019, também houve aumento das queimadas e o número de focos de calor registrados foi 30% maior do que em 2018.
Outro dado preocupante do Inpe mostra onde ocorreram os incêndio na Amazônia: um terço deles está em terras públicas sem destinação.
Área registrada como propriedade particular em terras indígenas da Amazônia cresce 55%, diz estudo
Entre agosto de 2019 e setembro de 2020 – período das queimadas – ocorreram quase 150 mil focos de queimadas no bioma. Segundo o Inpe, Mais de 35% deles ocorreram em terras públicas sem destinação, que são terras da União e que deveriam ser preservadas pelo governo. Foram 53.359 mil focos de incêndio no período em terras da própria União, equivalente a 127 queimadas ilegais ocorridas todos os dias apenas nestas áreas de preservação.
VÍDEOS: incêndios florestais