Alunos da USP vencem competição com jogo que ensina a programar

Robosquadrão é vencedor da categoria educação na 7ª edição da Campus Mobile

Robosquadrão é vencedor da categoria educação na 7ª edição da Campus Mobile
Divulgação

O projeto Robosquadrão é o vencedor da categoria educação na 7ª edição da Campus Mobile, competição de ideias e soluções para plataformas mobile. Ao todo, 12 propostas foram selecionadas para a final da competição, nas categorias educação, diversidade, smart cities e smart farms.

Desenvolvido pelos alunos Eleazar Braga, Gabriel Simmel e Óliver Becker, que fazem parte do grupo Fellowship of Game (FoG), do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP em São Carlos, o jogo tem como objetivo promover o contato dos jovens com a programação de um jeito mais atraente e inclusivo. Por isso, o público-alvo do projeto são jovens do ensino médio, que querem aprender os primeiros conceitos sobre programação.

O grupo foi chamado para participar de uma videoconferência. Concentrados, eles acreditaram estar diante de mais uma sessão de feedback sobre melhorias ou estratégias para o projeto que desenvolveram para a competição. Durante a live, realizada via Facebook, estavam presentes o gerente de projetos do Instituto NET Claro Embratel, Flávio Rodrigues, e o engenheiro Alexandre Martinazzo, do Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC) da USP, os dois representavam a Campus Mobile.

“A gente anotou algumas coisas para melhoria no aplicativo de vocês. A principal delas é que vão precisar de um visto para entrar nos Estados Unidos”, disse Flávio para o trio. “Fomos surpreendidos, pensávamos que tivesse ocorrido algum problema porque, inesperadamente, eles nos chamaram para conversar. Quando o Flávio falou do visto, ficamos por um momento em dúvida sobre o que estava acontecendo. Só depois veio a extrema felicidade”, conta Eleazar.

Sobre a Campus Mobile

Voltada para projetos de inovação feitos por equipes de alunos de graduação e de pós-graduação, a Campus Mobile é promovida pelo Instituto NET Claro Embratel em parceria com o LSI-TEC. A sétima edição da iniciativa começou em novembro de 2018. Ao longo das etapas, os participantes receberam monitoria de especialistas e vivenciaram uma experiência de imersão no início de fevereiro, durante uma semana, em São Paulo – com direito a maratona de programação, palestras e visitas a empresas parceiras.

O cumprimento de todas as metas da fase final garantiu aos participantes das categorias um prêmio no valor de R$ 6 mil. Como melhor da categoria educação, o trio também ganhou uma viagem para São Francisco e para o Vale do Silício, nos Estados Unidos, onde conhecerão algumas empresas da região e realizarão atividades de imersão em tecnologia.

“Nossa vitória nos motivou a continuar com o desenvolvimento do projeto, para adicionar mais funcionalidades, indo ao encontro do que a comunidade que construímos espera. Além disso, vamos nos inscrever em premiações e editais para jogos, como o BIG Festival, SBGames, USP Game Link entre outros”, projeta Oliver.
Durante o desenvolvimento do Robosquadrão, o trio contou com a colaboração de membros do FoG, do Programa de Educação Tutorial (PET-Computação) e da Seção de Apoio Institucional do ICMC e também dos professores Cláudio Motta Toledo, Fernando Osório, Kalinka Castelo Branco, Moacir Ponti e Francisco José Monaco.

“Esperamos que o nosso jogo alcance jovens e mostre como a programação é divertida e gratificante”, finaliza Gabriel.