Acusadora de R. Kelly diz em julgamento que cantor exigiu que ela fizesse sexo oral antes de teste


No 4º dia do julgamento do cantor, promotores afirmaram que ele não contou a ela que tinha herpes antes de relações. Imagem de 6 de junho de 2019 mostra R. Kelly chegando a tribunal de Chicago
E. Jason Wambsgans/Chicago Tribune via AP/Arquivo
Uma ex-namorada de R. Kelly disse a jurados no julgamento por abuso sexual do cantor nesta segunda-feira (23) que foi pressionada por ele a fazer sexo oral quando tinha 17 anos. Na ocasião, ela pensou que estava se encontrando com ele para um teste profissional. 
A mulher, chamada no inquérito de “Jane Doe nº 5”, disse que conheceu Kelly em seu quarto em um hotel em Orlando, na Flórida, em 2015, após um membro da comitiva do cantor passar a ela seu número de telefone durante uma apresentação do artista. 
“Eu disse a ele que não tinha vindo para satisfazê-lo, eu tinha vindo para uma audição”, disse a vítima. Mas ela disse que Kelly foi persistente, afirmando que se houvesse o sexo oral ele então “permitiria que eu fizesse o teste e cuidaria de mim para o resto da vida”. 
Promotores afirmaram que Kelly fez sexo diversas vezes com a mulher em 2015, quando tinha 48 anos, e não disse a ela antes de obter seu consentimento que havia contraído herpes.
Ela testemunhou no quarto dia do julgamento de Kelly no tribunal federal do Brooklyn.
Hoje com 54 anos, o cantor de “I Believe I Can Fly” e “Bump ‘N Grind” se declarou culpado diante de nove acusações que descrevem supostos abusos de seis mulheres e meninas, entre elas a cantora Aaliyah, que morreu em 2001.
O julgamento deve durar várias semanas, e Kelly pode passar o resto da vida preso se for condenado.