Vera do Canto e Mello reforça time de grandes cantoras que buscam visibilidade no ‘The Voice +’



Com discos aclamados no currículo, Claudya e Leila Maria também estão no programa destinado a artistas a partir de 60 anos. ♪ Os telespectadores mais antenados do programa The Voice + – exibido pela TV Globo nas tardes de domingo – tiveram grande e boa surpresa no quarto e último dia da etapa intitulada Audições às cegas.
A presença de Vera do Canto e Mello – carioca de 83 anos, conhecida nos bastidores artísticos pelo trabalho como professora de canto de nomes como Cláudia Raia e Paula Toller, mas com currículo que inclui atuações em musicais de teatro – abrilhantou o programa.
Vera deu aula de canto com interpretação tecnicamente perfeita da canção norte-americana My favorite things (Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II, 1959), um dos temas de A noviça rebelde (1959), musical de teatro – no qual Vera, aliás, já atuou em montagem brasileira – que deu origem em 1965 ao aclamado filme homônimo.
Ao se lançar como cantora na primeira metade dos anos 1990, em show com roteiro centrado no cancioneiro norte-americano, Vera já mostrara a exuberância técnica que encantou os técnicos e os telespectadores do The Voice + na tarde deste domingo, 7 de fevereiro.
Com as quatro cadeiras viradas para ela, Vera do Canto e Mello escolheu o time de Cláudia Leite. Ao participar do The Voice +, Vera do Canto e Mello reforça time de grandes cantoras que veem no programa uma plataforma para o alcance de imediata visibilidade nacional.
Leila Maria é cantora que tem intimidade com a canção norte-americana
Arthur Menina / GShow
Integrante do time de Mumuzinho, a também carioca Leila Maria, de 64 anos, tem a mesma intimidade com a canção norte-americana, como mostrou ao Brasil com arrebatadora interpretação do standard Night and day (Cole Porter, 1932) em programa anterior.
Sem ficar aquém na comparação com cantoras estrangeiras de jazz como a canadense Diana Krall, Leila Maria já expusera a intimidade com o gênero em álbuns como Off key (2004) e Holiday in Rio – Leila canta Billie (2015).
Completando o trio de cantoras veteranas que almejam projeção no The Voice +, há Claudya, outra cantora de origem carioca, mas há anos residente na cidade de São Paulo (SP).
Atualmente com 72 anos, Claudya foi revelada nos anos 1960, viveu o auge da carreira fonográfica de 1971 a 1973 – com a trilogia de álbuns formada por Jesus Cristo (1971), Você, Cláudia, Você (1971) e Deixa eu dizer (1973) – e alcançou pico de popularidade na primeira metade da década de 1980 como protagonista do musical Evita (1983) em trajetória que ficou mais obscura a partir da década de 1990.
Mesmo sem ter mostrado toda o habitual viço vocal ao cantar o samba Deixa eu dizer (Ivan Lins e Ronaldo Monteiro de Souza, 1973), lançado pela artista há 48 anos em gravação sampleada pelo rapper Marcelo D2 na música Desabafo (2008), Claudya garantiu vaga no time de Cláudia Leitte e, assim como Leila Maria e Vera do Canto e Mello, tem tudo para reconquistar a visibilidade perdida com a participação no The Voice +, programa destinado a cantores a partir de 60 anos.
Claudya é do time de Cláudia Leitte no ‘The Voice +’
Gabriel Nascimento / GShow