Veja o que mudou no calendário de vestibulares e exames por causa da pandemia


Provas da Fuvest e da Unesp, marcadas para novembro, foram adiadas para janeiro. A pandemia do coronavírus provocou mudanças nos vestibulares do fim deste ano. Para evitar a propagação da doença, diversas universidades optaram por adiar as provas. Assim, a maratona de exames, prevista para começar em novembro, foi adiada para o início de 2021.
Outras instituições foram além: há provas que vão cobrar o conteúdo do primeiro e do segundo ano do ensino médio, excluindo temas que deveriam ser estudados no terceiro ano. A ideia é garantir a isonomia para que os alunos que não puderam acompanhar as aulas on-line não sejam prejudicados. Outras optaram por fazer as provas em dias diferentes, conforme o curso pretendido pelo aluno, diminuindo os riscos de aglomeração.
Imagem de arquivo mostra estudante procurando nomes na lista de aprovados no vestibular da UnB.
Emília Silberstein/Secom UnB
Confira abaixo algumas alterações já anunciadas:
Fuvest
Adiou a prova, de 29 de novembro para 10 de janeiro
Foco em conteúdo do primeiro e segundo ano do ensino médio
Uso de máscaras e álcool em gel obrigatório
Distanciamento entre mesas de 1,5 metro
Salas com 50% da capacidade
Abertura dos portões com horário ampliado
130,5 mil inscritos
A Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), responsável pela seleção para a Universidade de São Paulo (USP) adiou a data das provas da primeira e da segunda fase.
Antes, a primeira fase seria em 29 de novembro e passou para 10 de janeiro. O formato da prova se manteve. Ao todo, há 130.525 inscritos no exame.
“O que a Fuvest declarou é que vai focar nos conteúdos do primeiro e segundo ano do ensino médio, mas isso não significa que não vai cair assuntos que seriam abordados no terceiro ano”, afirma Daniel Perry. “Possivelmente, de acordo com as declarações da Fuvest, os assuntos do terceiro ano vão ser cobrados sem exigir conhecimento específico, serão questões com maior interpretação textual, tabelas, imagens”, revela. “Mas é importante ressaltar que essas mudanças não vão tornar o vestibular mais fácil”, alerta.
Unesp
Adiou a prova de 15 de novembro para 30 e 31 de janeiro
Mudou o formato da prova na segunda fase
Mudou a aplicação da segunda fase, de dois para um único dia de prova
Obrigatório uso de máscaras
Entrada em turmas escalonadas
Salas de aulas com menor número de candidatos
O vestibular para a Universidade Estadual Paulista (Unesp) também alterou a data de aplicação e o formato da prova, mas apenas para a segunda fase.
A primeira fase, que seria em 15 de novembro, agora ocorrerá em 30 e 31 de janeiro. O formato seguirá o mesmo de anos anteriores: os candidatos de uma mesma carreira seguem fazendo a prova em um mesmo dia. Assim, candidatos de biológicas farão a prova no sábado e os de exatas e humanas, no domingo.
A segunda fase mudou. A prova, que seria em 19 e 20 de dezembro, agora ocorrerá em um único dia, 28 de fevereiro. O formato também teve alteração. Antes, a prova da segunda fase tinha questões dissertativas de todas as áreas de conhecimento e uma redação. Agora não haverá questões dissertativas, mas sim 60 perguntas de múltipla escolha e uma redação.
“A gente sabe que a mudança [para um único dia] é para ter tempo de correção. Antes, a segunda fase da Unesp era em dezembro e passou para fevereiro. Muito provavelmente [a união dos dias de aplicação] é para ter tempo de correção e não perder o início do ano letivo”, avalia Fernando Nunes Nozoli, coordenador pedagógico do curso preparatório para o vestibular Hexag.
O Manual do Candidato também foi alterado para incluir a obrigatoriedade de uso de máscaras. Segundo a Unesp, os candidatos chegarão em turmas escalonadas para evitar a aglomeração, deverão respeitar as medidas de distanciamento, e as salas também terão menor número de candidatos fazendo a prova ao mesmo tempo.
As inscrições seguem abertas até 27 de novembro. Na edição anterior, o vestibular teve 95.440 inscritos.
Unicamp
Adiou a prova, de 22 de novembro para 6 e 7 de janeiro
Prova será em dois dias, para dois grupos diferentes, para evitar aglomeração
Foco em conteúdo do primeiro e segundo ano do ensino médio
Não vai adotar o Enem
Exame terá menos questões, o tempo será reduzido e a lista de livros também encolheu
77,6 mil inscritos
O vestibular para a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) foi o que “mais mudou”, na avaliação de Daniel Perry, coordenador do Anglo Vestibulares. Houve alteração nas datas de realização, que foram adiadas, no formato da aplicação, no conteúdo exigido, no número de questões, tempo de prova e lista de livros. Há 77.653 inscritos.
A primeira fase, que seria em 22 de novembro, será feita agora em dois dias, 6 e 7 de janeiro. A instituição optou por separar os candidatos de acordo com a área do curso escolhido, para evitar aglomerações. “Candidatos aos cursos do segmento de Ciências Humanas/Artes e de Exatas/Tecnológicas farão a prova no mesmo dia, em um sábado. Já os candidatos da área de Ciências Biológicas/Saúde farão a prova no dia seguinte, ou seja, um domingo”, afirma a instituição.
As provas serão diferentes, mas trarão as mesmas características e conteúdos cobrados.
Perry também ressalta que a universidade diminuiu a quantidade de questões, de 90 para 72, reduziu as horas de aplicação de prova, de 5h para 4h, diminuiu a quantidade de livros da lista de obras obrigatórias, de 12 para 7.
“A Unicamp foi a primeira a declarar que os assuntos que são ensinados no terceiro ano do ensino médio vão ser cobrados sem se exigir conhecimento específico a respeito do conteúdo. Serão cobrados de forma mais interpretativa. Isso não significa que a prova vai ser fácil, porque uma questão de interpretação de texto pode ser muito sofisticada”, afirma Perry.
Além disso, a universidade afirma que não vai adotar as notas do Enem neste ano por incompatibilidade de calendários. O Enem prevê divulgar os resultados em 29 de março, mas as aulas na Unicamp vão começar antes, em 15 de março. Assim, as vagas que eram oferecidas pelas notas do exame serão computadas no total geral.
UnB
Vai aceitar a nota do Enem 2019
Em 2019, a Universidade de Brasília (UnB) saiu do Sistema de Seleção Unificado (Sisu), onde oferecia 25% das vagas, e passou a fazer um processo seletivo à parte com a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), chamado Acesso Enem UnB.
Este processo também foi alterado para permitir que estudantes possam disputar vagas com as notas do Enem 2019. Mas, por enquanto, a seleção é para o 2º semestre letivo de 2020, que terá início em 1º de fevereiro de 2021.
“A substituição foi a alternativa encontrada pela Universidade diante da situação de emergência na saúde pública”, informou a instituição, ressaltando que esta medida é “excepcional” e que o vestibular será retomado em 2021.
Particulares
Daniel Perry, coordenador do curso Anglo, afirma que algumas universidades privadas vão adotar vestibulares on-line para fazer a seleção de estudantes.
“Em alguns casos, faculdades particulares estão fazendo vestibular on-line através de um sistema que trava o browser [navegador da internet] para o candidato não sair do ambiente virtual onde está sendo feita a prova para consultar o Google ou o e-mail. Elas também adotam monitoramento pela câmera, do computador para coibir fraude. Movimentos estranhos do candidato podem levar à punição”, afirma.
Um exemplo é a Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Devido à pandemia, a instituição afirmou que permitirá duas formas de acesso aos cursos superiores: via Enem, com notas de exames feitos em 2018 e 2019, e em prova on-line, marcada para novembro.
Enem
Adiou a data de 1º e 8º de novembro para 17 e 24 de janeiro
Uso de máscaras obrigatório
5,8 milhões de inscritos
O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é considerado o maior vestibular do Brasil. Nesta edição, 5.783.357 candidatos se inscreveram.
A nota da prova é usada no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que seleciona os estudantes para vagas em universidades federais de todo o Brasil (leia mais abaixo). Além disso, outras instituições que não fazem parte do Sisu adotam a nota do Enem como parte da seleção do vestibular próprio.
Com a pandemia, as provas impressas, que estavam previstas para 1° e 8 de novembro, foram adiadas para 17 e 24 de janeiro.
O calendário da prova digital também foi alterado de 11 e 18 de outubro para 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Os resultados serão divulgados em 29 de março.
Não há alterações previstas no formato da prova, conteúdo cobrado no exame ou na aplicação.
Mas o novo edital, retificado para incluir as novas datas, trouxe também a obrigatoriedade de uso de máscaras durante todo o exame. O documento cita o respeito ao distanciamento quando o candidato for apresentar-se na sala de aplicação da prova, mas não prevê outras mudanças significativas.
Sisu
Edital ainda não foi publicado
O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) usa as notas do Enem para selecionar alunos que buscam vagas em universidades públicas. A cada semestre, um edital é lançado pelo Ministério da Educação (MEC) para as instituições aderirem ao processo seletivo.
O edital para a próxima seleção, do primeiro semestre de 2021, ainda não foi divulgado. Na edição do primeiro semestre de 2020, o edital foi publicado em janeiro, com a oferta de 237.128 vagas em 128 instituições de todo o país. Em 2019, foram 235.461 vagas em 129 instituições.
Em nota, o Ministério da Educação (MEC) afirma que “está em constante diálogo com representações de Instituições de Ensino Superior (IES) e demais instâncias envolvidas na tomada de decisão sobre o assunto para avaliação do atual cenário.” Segundo a pasta “no momento, é preciso aguardar a consolidação dessas informações.”
Playlist: Educação