Veja a lista de hospitais que serão descredenciados pela Amil; ANS monitora situação


A lista inclui hospitais da Rede D’Or, localizados em SP, RJ, PE e DF; operadora de saúde quer alinhar a rede de hospitais com novos modelos de remuneração que premiam resultados clínicos. Hospital Santa Luzia, em Brasília, que pertence à Rede D’OR
Divulgação
A Amil, que faz parte do grupo do setor de saúde UnitedHealth Group, com sede nos EUA, anunciou a clientes no sábado (27) que vai descredenciar 17 hospitais a partir do dia 21 de junho. A operadora de saúde alega que quer alinhar a rede de hospitais credenciados com as “mais recentes evidências médicas e modelos de remuneração que premiam os resultados clínicos e a experiência do paciente”.
“Os beneficiários continuarão a ter acesso a uma sólida rede de hospitais e provedores que praticam medicina baseada em evidência, com foco em melhores resultados de saúde”, informou no comunicado.
Todos os hospitais da lista são da Rede D’OR, com exceção do HCOR e Hospital Leforte Liberdade, em São Paulo. Veja abaixo:
São Paulo
Hospital Assunção (São Bernardo)
Hospital e Maternidade Brasil (Santo André)
Hospital Sino Brasileiro (Osasco)
Hospital HCOR (São Paulo)
Hospital Leforte Liberdade – antigo Hospital Bandeirantes (São Paulo)
Hospital São Luiz – unidade Jabaquara (São Paulo)
Hospital e Maternidade São Luiz – unidade Itaim (São Paulo)
Hospital São Luiz – unidade Morumbi (São Paulo)
Rio de Janeiro
Clínica São Vicente (Rio de Janeiro)
Hospital Barra D’Or (Rio de Janeiro)
Hospital Caxias D’OR (Rio de Janeiro)
Hospital Copa D’OR (Rio de Janeiro)
Hospital Oeste D’OR (Rio de Janeiro)
Hospital Quinta D’OR (Rio de Janeiro)
Hospital Rios D’OR (Rio de Janeiro)
Distrito Federal
Hospital Santa Luiza (Brasília)
Pernambuco
Hospital São Marcos (Recife)
A lista foi repassada por meio de comunicado interno do CEO da Amil aos colaboradores do grupo. O G1 entrou em contato com a Amil para obter a lista, mas a empresa não divulgou.
Mudança na remuneração dos serviços
O jornal O Globo, em reportagem publicada no sábado, informa que a Amil pressionou esses hospitais para mudar a forma de remuneração, da chamada remuneração por serviço (hospital recebe por procedimento prestado) para remuneração por pacotes de serviços (hospital recebe pelo conjunto de procedimentos recomendado a determinadas doenças/quadros de saúde).
A Amil argumenta, segundo a reportagem, que o antigo modelo incentiva procedimentos desnecessários e leva ao desperdício e assistência médica inadequada. A operadora afirma que 30% de sua rede credenciada de hospitais está no novo modelo de remuneração.
Nota da Rede D’OR
Em nota, a Rede D’Or São Luiz confirmou que, a partir de 21 de junho, parte de seus hospitais deixará de atender alguns planos da Amil. Veja, abaixo, a íntegra do comunicado:
“A Rede D’Or São Luiz esclarece que, a partir de 21 de junho, parte de seus hospitais deixará de atender alguns planos do convênio Amil. Os demais Convênios atualmente elegíveis seguem atendidos normalmente, sendo mantido nosso compromisso de oferecer serviços de excelência aos nossos pacientes.
A RDSL ressalta ainda que sempre se manteve aberto ao diálogo com todas as operadoras, tendo como prioridade buscar as melhores opções em prol do setor e do paciente. A RDSL defende que o melhor cenário para todos, paciente, médico e, mercado, e aquele que assegura a pluralidade de prestadores de serviços, produtos e operadoras.
Somente assim, garante-se a liberdade de escolha do paciente em ser atendido no local de sua preferência, bem como do médico em praticar uma medicina de excelência, valorizando sua qualificação e treinamento permanente.É dessa forma que se afiança também a competitividade necessária para a sustentabilidade do setor.
A RDSL é uma empresa comprometida com a qualidade do cuidado que oferece a população, tendo as suas unidades acreditadas nacional ou internacionalmente. Nossos hospitais demonstram resultados assistenciais, comprovados pela satisfação dos consumidores, além de estar entre os melhores do mundo, representando um ambiente seguro e de qualidade para médicos e pacientes.
O compromisso do Grupo com a medicina de excelência e na atenção ao paciente é ratificada nos mais de 80 mil médicos credenciados em nossa rede. São profissionais referência nacional e internacional que acompanham o engajamento da Rede em oferecer a melhor infra estrutura e equipamentos para que possam exercer sua atividade em nível de excelência.
Adicionalmente, a RDSL trabalha pela sustentabilidade setorial, adotando as melhores práticas de gestão, e trabalhando com novos modelos de remuneração junto as suas mais de 70 operadoras de saúde parceiras que compartilham o valor de se oferecer a sociedade o melhor que a medicina tem. Por fim, a RDSL reitera que busca evoluir junto com o setor e não abre mão de ter foco na qualidade assistencial prestada ao paciente em primeiro lugar.”
ANS está monitorando situação
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) informou ao G1 que monitora a situação e atuará em caso de necessidade para impedir que haja descumprimento da legislação do setor de planos de saúde e para garantir que não haverá prejuízo aos consumidores. A agência ressalta que não poderá haver descontinuidade na assistência aos beneficiários em tratamento ou em internação.
Em caso de dificuldades de atendimento, o consumidor deverá solicitar a solução do problema à operadora. Se não tiver a situação resolvida, deverá entrar contato com a ANS por meio de um de seus canais de atendimento: Disque-ANS 0800 701 9656; Formulário Eletrônico na Central de Atendimento em www.ans.gov.br ou em um dos 12 Núcleos da ANS existentes nas cinco regiões do país.
Veja a nota da Amil enviada aos clientes no sábado:
E-mail da Amil enviado neste sábado (27) a um cliente, ao qual o G1 teve acesso
Arquivo pessoal