Valor médio da passagem aérea caiu 1,3% no primeiro trimestre de 2019, informa Anac

Segundo a agência, valor médio das passagens domésticas vendidas de janeiro a março foi de R$ 371,76. Avianca e Latam apresentaram alta no preço médio da passagem vendida no período. O valor médio da tarifa aérea em voos doméstico registrou queda de 1,3% no primeiro trimestre de 2019, na comparação com o mesmo período de 2018, informou nesta segunda-feira (10) a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).
Segundo a agência, no primeiro trimestre a tarifa média nos voos dentro do Brasil foi de R$ 371,76, contra R$ 376,50 no mesmo período do ano anterior.
Empresas
A agência informou que, entre as principais empresas brasileiras, houve aumento da tarifa da Avianca, que subiu 9,2% no primeiro trimestre do ano, e da Latam, que registrou uma alta de 3,8% no valor médio da passagem vendida.
De acordo com a Anac, o valor médio do bilhete aéreo vendido pela Gol caiu 3,9% no período e da Azul registrou queda de 1,8%.
Os dados da Anac levam em consideração as passagens vendidas no período.
De janeiro a março, informou a Anac, 9,7% das passagens foram comercializadas com um valor inferior a R$ 100, e 53% abaixo de R$ 300. As passagens acima de R$ 1.500 representaram 1% do total.
Custos
Segundo a agência, no primeiro trimestre, os indicadores atrelados aos custos mais significativos da indústria, como combustível e câmbio, seguiram tendência de alta em relação ao mesmo período de 2018.
No primeiro trimestre do ano, o querosene de aviação (QAV), que responde por cerca de 30% dos custos e despesas operacionais das empresas aéreas brasileiras, subiu 10,8%. E a taxa de câmbio subiu 16,2% no mesmo período de comparação.
A taxa de câmbio tem forte influência nos custos de combustível, arrendamento, manutenção e seguro de aeronaves.
Bagagem
Na semana passada, representantes da Gol e da Azul afirmaram em audiência pública na Câmara dos Deputados que proibir as empresas aéreas de cobrarem pelo despacho de bagagem vai aumentar o preço das passagens.
O Congresso Nacional aprovou uma proposta que retoma a chamada franquia de bagagem, dando ao passageiro o direito de despachar até 23 quilos de bagagem sem pagar, dependendo do tamanho do avião.