Vacinados contra a Covid entrarão nos EUA sem restrições a partir de 8 de novembro, diz Casa Branca


Medida vale para todos os países, inclusive o Brasil. País manterá a exigência de que o passageiro apresente um teste negativo de Covid-19 feito até 3 dias antes do embarque. Fila de acesso à área de segurança do aeroporto internacional de Denver, nos EUA, em 16 de junho de 2021
David Zalubowski/AP/Arquivo
Os Estados Unidos vão suspender todas as restrições de viagens internacionais, a partir de 8 novembro, para adultos estrangeiros que estiverem totalmente vacinados contra a Covid-19, anunciou o governo do presidente Joe Biden nesta sexta-feira (15).
A medida vale para todos os países, inclusive o Brasil, e substitui o atual sistema, que restringe o voo de estrangeiros de determinados países e impõe outras restrições, como quarentenas obrigatórias.
“A nova política de viagens dos EUA, que exige vacinação para viajantes estrangeiros, começará em 8 de novembro”, disse o porta-voz assistente da Casa Branca, Kevin Munoz. “A decisão é pautada pela saúde pública, rigorosa e consistente.”
A Casa Branca havia informado anteriormente que todas as vacinas disponíveis nos EUA e as aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) serão aceitas (veja mais abaixo).
Segundo um comunicado divulgado no fim de setembro, os estrangeiros que viajarem aos EUA deverão estar totalmente imunizados e apresentar o comprovante de vacinação antes de embarcar.
Além disso, o país vai manter a exigência de que o passageiro apresente um teste negativo de Covid-19 feito até 3 dias antes do embarque.
EUA suspenderão restrições à entrada de estrangeiros vacinados contra Covid em novembro
Vacinas aprovadas nos EUA
Atualmente, o CDC considera “totalmente vacinado” contra a Covid-19 quem tomou os imunizantes aprovados para uso emergencial no país: da Pfizer, da Moderna e da Janssen (vacina em dose única da Johnson& Johnson).
2 semanas após a segunda dose das vacinas da Pfizer e da Moderna
2 semanas após a dose única da vacina da Janssen
O site do CDC sobre viagens internacionais faz uma ressalva e diz que “a orientação também pode ser aplicada a vacinas contra a Covid-19 que foram listadas para uso emergencial pela Organização Mundial de Saúde (por exemplo, a vacina de Oxford/AstraZeneca)”.
Entre os imunizantes aprovados pela OMS está a CoronaVac, vacina da fabricante chinesa Sinovac que no Brasil é produzida e distribuída em parceria com o Instituto Butantan.
As vacinas autorizadas pela OMS até o momento são as seguintes:
Pfizer/BioNTech
Moderna
Oxford/AstraZeneca — produzida no Brasil pela Fiocruz
Janssen (Johnson & Johnson)
SinoPharm
CoronaVac — produzida no Brasil pelo Instituto Butantan
Escolha de cada país
As vacinas entram na discussão sobre a reabertura dos países a visitantes estrangeiros porque cada país definiu as regras de uma maneira e a cada momento os governos fazem novas decisões sobre quais condições para cada visitante.
Via de regra, os países têm autorizado a entrada de visitantes que tenham tomado as vacinas autorizadas naquele país. Porém, aos poucos, tem havido uma flexibilização.
Na Europa, por exemplo, mesmo países que não adotam a CoronaVac decidiram aceitar viajantes que tenham tomado o imunizante. É o caso de Espanha, Finlândia e Suíça. Outros, como o Reino Unido e a França, ainda não emitiram essa autorização.
VEJA TAMBÉM:
EUA reduzem grau de alerta para americanos não visitarem o Brasil devido à Covid
Quais vacinas contra Covid são aceitas para entrar na Europa?
Bolsonaro é único dos líderes do G20 na Assembleia da ONU que não tomou vacina
Bolsonaro e comitiva comem na rua em NY; cidade exige vacinação para entrar em restaurantes