Unicamp classifica direto para a segunda fase candidatos que perderam uma hora de prova em Mogi


No fim de outubro, a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) havia divulgado a ampliação do tempo de prova de quatro para cinco horas, mas em uma sala de Mogi das Cruzes a fiscal deu apenas quatro horas aos candidatos neste domingo (7). A Universidade Estadual de Campinas divulgou nesta segunda-feira (8) que vai classificar para a segunda fase todos os candidatos do vestibular que estavam em uma sala de Mogi das Cruzes que perderam uma hora da prova.
A primeira fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) foi realizada neste domingo (7). No fim de outubro, a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) havia divulgado a ampliação do tempo de prova de quatro para cinco horas, mas, em uma das salas de uma universidade de Mogi onde a prova foi aplicada, a fiscal deu apenas quatro horas aos candidatos.
Segundo os vestibulandos, a prova começou às 13h20 e terminou às 17h20. Ao todo, 28 estudantes foram liberados uma hora antes.
Unicamp amplia em 1 hora tempo de prova da primeira fase do vestibular 2022
Unicamp 2022: 1ª fase do vestibular registra abstenção de 7,7%, a menor em oito anos
O estudante Pedro de Mari, 19 anos, conta que na entrada da sala percebeu que não havia nenhum fiscal recolhendo os celulares e outros objetos pessoais que são confiscados durante a realização do exame. “Achei estranho porque, em outros vestibulares, o fiscal está na porta da sala conferindo o documento e colocando carteira, celular e relógio dentro de um saco com lacre. O fiscal só chegou depois com a prova e nos deu um saco para colocar os pertences”
Ainda segundo o estudante, a lousa não tinha nenhum adesivo com horário e o fiscal também não escrevia o horário no quadro para que pudessem ter o controle e administrar o tempo das questões. Os candidatos só foram avisados faltando 30 minutos para o término da prova, alguns ainda notaram que no caderno de questões estava escrito que a prova tinha duração de quatro horas.
“Fiquei desesperado, olhei ao meu redor e vi que a sala ainda estava lotada. Tive que chutar, né? Terminei a prova e saí da sala chorando porque nunca eu tinha chutado tantas questões, saí acabado. Me senti inútil, achei que a culpa era minha. Eles não ligaram nem um pouco para os alunos, foi uma experiência horrível. Só depois que eu fui perceber que tiraram uma hora da nossa prova”, conta.
A primeira atitude que Pedro tomou foi publicar o ocorrido nas redes sociais na intenção de encontrar os candidatos que estavam na mesma sala de aplicação e que passaram pela mesma situação.
Pedro fez um post nas redes sociais na intenção de encontrar candidatos que estavam na mesma sala que ele
Reprodução/Redes Sociais
Com as postagens, outros candidatos se juntaram para pedir o posicionamento da universidade. Um deles foi Gabriel Dourador que, logo no momento em que a fiscal anunciou o tempo restante de avaliação, percebeu que ainda faltava uma hora.
“Ele questionou a fiscal e ela disse que não. Então decidiu sair e buscar a coordenação, que o orientou a voltar para a sala e continuar a prova. Ele estava chorando, desestabilizado. Todos os alunos da sala foram prejudicados por conta dessa situação”, conta Patrícia Mota Dourador, mãe do jovem de 17 anos.
Pedro relatou o ocorrido nas redes sociais; candidatos se manifestaram
Reprodução/Redes Sociais
Quem também se sentiu injustiçada pelo término antecipado da prova foi Beatriz Menezes, de 18 anos, que descobriu o que aconteceu ao informar o horário para outras candidatas. Segundo ela, duas meninas que estavam do lado de fora perguntaram para ela que horas eram, ela informou e percebeu que era mais cedo do que imaginava.
“Uma perguntou até que hora a prova ia e a outra respondeu que era por volta de 18h10. Quando eu ouvi, perguntei ‘na sala de vocês a fiscal também aplicou uma hora a menos?’ e elas responderam que não. Nesse momento eu percebi que a minha sala foi injustiçada mas, ainda assim, tive dúvidas porque como fiscal é autoridade, ficamos com receio de questionar alguma coisa”, diz.
Em nota, a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp informou que “o colaborador responsável não participará das próximas etapas e os coordenadores serão advertidos”.
Ainda segundo a comissão, a duração da prova informada no caderno de questões estava errada porque os cadernos já estavam impressos quando a Comvest decidiu pela ampliação do horário de prova.
Assista a mais notícias