Trilha para caverna marinha do Pântano do Sul, em Florianópolis, reúne belezas naturais e desafios


Patrimônio espeleológico fica entre as praias do Matadeiro, Lagoinha do Leste e canto esquerdo do Pântano do Sul. Pé na Trilha: O caminho para uma das cavernas da região do Pântano do Sul
A maioria das cavernas de Florianópolis fica concentrada no Sul da Ilha. Para a expedição, muitas vezes é preciso fazer rapel com equipamentos especiais ou escalar paredões de pedras. São formações que, além de belíssimas, ajudam a contar a história da formação geológica do patrimônio espeleológico da Capital.
No maciço costeiro do Pântano do Sul, que é um dos morros entre as praias do Matadeiro, Lagoinha do Leste e canto esquerdo da praia do Pântano do Sul, fica uma das formações mais visitadas e que leva o mesmo nome da praia, a Caverna ou Furna do Pântano do Sul.
Região do Pântano do Sul esconde 25 cavernas catalogadas em pesquisa da UFSC
Reprodução/ NSC TV
Em 2018, a tese de doutorado da pesquisadora Marinês da Silva, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mapeou 25 cavernas marinhas na maciço. Todas são do tipo marinhas.
Na descida do paredão próximo do mar, o chão é de cascalho e rochas arredondadas.
Reprodução/ NSC TV
Para chegar até o local é preciso seguir um trecho de 2 quilômetros, que fica à esquerda da Praia do Pântano do Sul até chegar a uma estrada em direção ao topo do Morro do Pântano. Depois, é preciso entrar na trilha do Regueirão, que passa por um pequeno trecho de Mata Atlântica antes de descer por um costão.
Gravatás arranham as pernas dos trilheiros
Reprodução/ NSC TV
Para os aventureiros que utilizam como traje a bermuda é preciso, ao menos, levar uma boa dose de curativos, por causa da presença de gravatás que estão espalhados na área.
Após o incentivo da filha Brenda, de 17 anos, o vigilante Jocilmar Maestri realizou a trilha acompanhado da mulher, dos filhos e de um primo.
“As outras [trilhas] que tinha era mais limpa, esta aqui é um pouquinho mais fechada, arranha mais. Mas está legal, dá pra caminhar legal”, afirmou.
“Eu vi que ela é meio difícil de fazer, por conta da vegetação que tem. E tem uma descida ali que eu vi que também é meio difícil, que tem umas pedras”, afirmou Brenda.
Beleza natural do maciço do Pântano do Sul em Florianópolis
Reprodução/ NSC TV
Para encarar as dificuldades do caminho é recomendável o acompanhamento de guias na expedição, pois há um paredão com mais de 10 metros de altura e dependendo do nível da maré, não é possível fazer a passagem entre as pedras e as ondas do mar.
Vigilante Jocimar levou a família pra conhecer a Caverna do Pântano do Sul
Reprodução/ NSC TV
O professor de inglês Drew Colverd, fez o percurso e explicou que a caverna foi um “achado”. “É maravilhosa esta mistura de vegetação coma as rochas, o mar, a vista maravilhosa. É bem legal, bem bacana, vale a pena”, explicou.
Na descida do paredão próximo do mar, as rochas têm incontáveis fendas. O chão é de cascalho e rochas arredondadas.
Caverna no maciço do Pântano do Sul, em Florianópolis
Reprodução/ NSC TV
Formação geológica
A pesquisa de Marinês mediu as dimensões do maciço: 4,95 metros de largura máxima, 10,85 metros de altura máxima e 13,75 metros de desenvolvimento linear. De acordo com o levantamento feito no estudo, a formação da caverna tem predomínio de rocha ignimbrito, que tem origem vulcânica, que pode ter se formado há até 520 milhões de anos. Milhares de anos mais tarde uma nova atividade vulcânica abriu fendas na rocha, que foram preenchidas por diabásio, que é outra rocha magmática.
Quando o nível do mar era mais alto que o atual, a maré e as ondas erodiram o diabásio. A rocha escura acabou sendo quebrada em partes menores, e quando o mar regrediu ao nível atual a fenda se abriu, virando caverna.
“É lindo porque a gente não tem uma visão, uma ideia das riquezas naturais que a gente tem em Santa Catarina. A gente acha: ‘vamos viajar pra fora, vamos para Europa, vamos para outro lugar”, mas aqui tá cheio de coisas legais pra fazer”, comemora Daiane.
Formação rochosa no Sul da Ilha de Santa Catarina
Reprodução/ NSC TV
Leste da Ilha em Florianópolis esconde trilhas e até praia secreta
Veja lista músicas para ouvir no caminho para praia secreta
Cachoeiras, sítios e alambiques: Sertão do Ribeirão preserva natureza e tradições em Florianópolis
‘Pé na Trilha’: Jornal do Almoço exibe série de reportagens com dicas para o verão
Confira informações sobre o verão em SC na página especial
Veja outras notícias do estado no G1 SC