Tradição, incentivo à cultura da paz e homenagem a Dom Célio marcam Semana Santa em São João del Rei


Cerimônias seculares abordam temas atuais em 2018. “Há quem defenda que responder violência com mais violência é o certo, mas não é”, disse pároco da Catedral Basílica Nossa Senhora do Pilar. A Semana Santa é a renovação da esperança”, disse padre Geraldo Magela, pároco da Catedral Basílica Nossa Senhora do Pilar
Marcos Luan/Diocese de São João del Rei
Os católicos de São João del Rei vivenciam a Semana Santa em cerimônias tradicionais e buscando os sentidos delas no mundo contemporâneo. Esta é a análise do pároco da Catedral Basílica Nossa Senhora do Pilar, padre Geraldo Magela da Silva, sobre o sentido de se manter o tradicional Ofício de Trevas, nesta quarta-feira (28), as Matinas e Laudes de Sexta-Feira da Paixão (30) e Sábado (31), entre outros.
“A Semana Santa é a renovação da esperança, recarregar as nossas energias. A gente não pode desanimar. Fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Se nos unirmos é possível um mundo diferente”, disse Magela em entrevista ao G1.
Em 2018, haverá menções nas cerimônias ao Bispo Dom Célio de Oliveira Goulart, morto em janeiro e ao tema da Campanha da Fraternidade, sobre a violência na sociedade.
A Diocese de São João del Rei, responsável por 42 paróquias em 26 cidades, disponibilizou programações de algumas igrejas e também as cerimônias na Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar na página oficial na internet e em um aplicativo para celular.
Criar ‘Cultura da Paz’
Ao longo da semana, junto com as lições e o sofimento de Jesus na Paixão e a celebração da Ressurreição no Domingo de Páscoa, o pároco destacou que serão lembrados o tema da Campanha da Fraternidade 2018 “Fraternidade e Superação da Violência” e o lema “Vós sois todos irmãos”.
“Jesus morre de uma maneira tão violenta e a resposta dele é a do perdão, a não violência, que vamos encontrar em outros líderes, como Gandhi e Martin Luther King. São Paulo deixa em uma das suas cartas que devemos responder o mal com o bem. Há quem defenda que responder com mais violência é o certo. Mas devemos fazer crescer a cultura da não violência”, explicou Magela.
Ele destacou que a responsabilidade em reverter esta situação exige uma ação conjunta. “A violência passa pela desestabilização da família, perda de valores, falta de sentido para os jovens, incentivo ao consumismo. Precisamos superar a violência dentro das nossas famílias, unindo a sociedade civil e o poder público. Há necessidade de a gente construir uma cultura de paz, já que somos discípulos de Jesus, o príncipe da paz”, afirmou.
Lembrança de Dom Célio
Bispo Dom Célio de Oliveira Goulart na cerimônia do Lava-Pés em São João del Rei
Diocese de São João del Rei/Divulgação
As celebrações desta Semana Santa e Páscoa serão as primeiras após a morte de Dom Célio Goulart de Oliveira, aos 73 anos, em janeiro deste ano. Ele era Bispo da Diocese desde 2010.
“Fizemos uma homenagem no impresso com a programação da Semana Santa e em todas as cerimônias iremos rezar por ele. Dom Célio tinha como lema episcopal ‘A cruz é a força de Deus’ e tem tudo a ver com o que estamos celebrando. Vamos lembrar o testemunho e a vida dele como um exemplo de quem acreditou nesta força”, destacou o padre.
Atualmente, padre Dirceu de Oliveira Medeiros é o administrador diocesano até que seja nomeado o novo bispo para São João del Rei.
Programação na Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar
Nesta quarta (28), o Ofício de Trevas leva os fieis à reflexão sobre o sentido dos passos de Cristo na Semana Santa, da morte à ressurreição. A cada salmo, é apagada uma das velas do candelabro, menos a última. Ela representa a luz de Cristo que não se apaga.
Depois de ser escondida, a vela retorna ao altar após as luzes serem todas apagadas como a luz da vitória.
Paróquia em São João del Rei mantém tradição do Ofício de Trevas
Na quinta (29), às 9h30 será realizada a Missa Solene do Crisma e Bênção dos Santos Óleos. O bispo emérito de São João del Rei Waldemar Chaves de Araújo concelebra a Sagrada Eucaristia, a instituição do sacerdócio e consagra o Óleo do Crisma e abençoa o Óleo dos Catecúmenos e o Óleo dos Enfermos que serão levados para as paróquias.
Às 17h, Missa da Ceia do Senhor, com a participação da Orquestra Ribeiro Bastos. Após a missa, o Santíssimo Sacramento será levado para a capela onde ficará até sexta-feira (30) e os altares serão desnudados.
Às 20h30 na Praça Francisco Neves, atrás da Catedral Basílica, será realizado o ato do Lava-pés. Nesta missa, será realizada a Coleta da Caridade em favor dos pobres.
Na Sexta-feira da Paixão (30), às 8h30 será realizada a Matinas e Laudes. Às 12h30, será proferido o Sermão das Sete Palavras, recordando as últimas palavras de Jesus na cruz e o testamento de amor que Deus deixou à humanidade.
Às 15h, será realizada a Solene Ação Litúrgica – celebração da Paixão do Senhor e a Adoração da Cruz. Às 20h30, haverá a paraliturgia do Descendimento da Cruz na escadaria da Igreja de Nossa Senhora das Mercês, que terá como pregador o Arcebispo de Juiz de Fora Dom Gil Antônio Moreira.
Sermão do Descendimento da Cruz reúne devotos em São João del Rei
Em seguida os fieis participam da procissão do Enterro do Senhor que passará pela Praça Francisco Neves, Rua Monsenhor Gustavo, Praça Embaixador Gastão da Cunha, ruas Padre José Maria Xavier, Dr. Balbino da Cunha, Ministro Gabriel Passos, Arthur Bernardes, Marechal Deodoro, Sebastião Sette e Getúlio Vargas até a Catedral Basílica Nossa Senhora do Pilar.
No sábado (31), às 8h30 será realizada a segunda Matinas e Laudes da Semana Santa. Os fieis poderão se confessar na Igreja do Rosário, a partir das 8h. Às 20h, a Solene Vigília Pascal inicia a celebração da Ressurreição de Cristo.

Powered by WPeMatico