Testemunha conta que Weinstein lhe propôs sexo com ele e assistente em troca de papel


Dawn Dunning, de 40 anos, deu depoimento nesta quarta-feira (29). Harvey Weistein usa andador para ir embora de seu julgamento em Nova York
Amr Alfiky/Reuters
Uma ex-atriz contou nesta quarta-feira (29) no julgamento de Harvey Weinstein em Nova York que o produtor de Hollywood exigiu que ela tivesse relações sexuais com ela e uma assistente em troca de um papel em um filme.
Dawn Dunning, de 40 anos, também disse no sexto dia de julgamento no tribunal de Manhattan que, dias antes da proposta, tinha sido abusada sexualmente pelo poderoso chefe da produtora Miramax em um quarto de hotel.
Dunning é uma das mulheres que a Promotoria de Nova York convocou como testemunhas para apoiar sua acusação de que Weinstein é um predador sexual.
Os fatos denunciados por essas três supostas vítimas não fazem parte da acusação.
Dawn Dunning, ex-atriz e hoje empresária, em foto de seu perfil no Instagram
Reprodução/Instagram/DawnDunning
Embora mais de 80 mulheres tenham denunciado-o por abuso, agressão sexual ou estupro, Weinstein só foi acusado do estupro de uma mulher em 2013 e de agressão sexual de outra em 2006, já que a maioria dos crimes prescreveram.
Se for considerado culpado ao fim deste processo, que deve terminar por volta de 6 de março, enfrenta pena máxima de prisão perpétua.
Relato do assédio
Aspirante a atriz, Dunning trabalhava em um bar de Manhattan quando conheceu Weinstein em 2004.
O produtor falou com ela sobre vários projetos, até que houve um encontro entre ambos em um quarto de hotel em 2005.
Quando Weinstein convidou-se a se sentar em uma, a mulher disse que não desconfiou “porque tinha uma pessoa ao lado”.
Em um segundo, contou, o magnata colocou sua mão debaixo da saia dela e tentou penetrá-la. “Não houve nenhum sinal precursor”, declarou a mulher na corte.
Dunning se levantou da cama. Weinstein interrompeu, se desculpou e prometeu que isso nunca mais voltaria a acontecer. A testemunha disse que nunca tinha contado esse episódio a ninguém. “Tive vergonha”, explicou. “Não queria ser uma vítima.
Cerca de duas semanas mais tarde, Weinstein falou com ela sobre um novo papel e propôs encontrá-la em um hall de outro hotel. Contudo, ela foi guiada a uma das suítes por uma assistente. O produtor explicou que, para conseguir um papel, deveria transar com ela e sua assistente.
Dunning caiu na risada, mas Weinstein “ficou realmente furioso” e gritou “você nunca fará sucesso” nesta indústria. Ela também disse que, segundo o produtor, atrizes como Charlize Theron e Salma Hayek tinha cedido a seus desejos.
Dunning fugiu aterrorizada. “Depois disso, dei fim a minha carreira de atriz”, declarou.
Durante o contra-interrogatório, um dos advogados de defesa, Arthur Aidala, insistiu que Dunning foi por vontade própria ao segundo encontro, quando supostamente tinha sido agredida em uma primeira reunião.
Outra testemunha
Depois de Dunning, foi a vez de outra testemunha, Tarale Wulff, 43 anos, modelo que conheceu Weinstein quando era garçonete. Ela contou que o produtor, agarrou-a pelo braço em 2005 e levou-a a uma parte escura do lugar onde trabalhava e se masturbou na frente dela. A mulher disse que fugiu correndo.
A modelo disse que Weinstein estuprou-a mais tarde, em um apartamento ao qual ela chegou porque o produtor enviou um carro para segui-la. O réu a levou para a cama e quando Wulff protestou, Weinstein disse: “Não se preocupe, eu não posso ter filhos”.
“Ele me estuprou. Certamente ele era maior e mais pesado. Foi um choque”, disse Wulff. Ela nunca recebeu nada em troca do acusado, disse.