SPFW institui cota racial obrigatória de 50% nos desfiles


Pelo menos 50% dos modelos deverão ser ‘negros, afrodescendentes ou indígenas’. Edição de 25 anos da São Paulo Fashion Week vai acontecer de forma virtual na próxima semana. Desfile da grife LAB, dos artistas Emicida e seu irmão Evandro Fiotti, na Arena de Eventos do Parque do Ibirapuera na 42a. edição do São Paulo Fashion Week (SPFW) em 2016
Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo
A São Paulo Fashion Week, principal semana de moda do país, vai ter cota obrigatória de modelos para “negros, afrodescendentes ou indígenas” em todos os desfiles.
A decisão foi anunciada às marcas participantes através de um comunicado e já passa a valer para a próxima SPFW, que celebra os 25 anos do evento e começa na semana que vem.
“É obrigatório que a grife mantenha mínimo de 50% de modelos entre negros, afrodescendentes e/ou indígenas, do total dos modelos participantes em seu desfile”, diz o comunicado obtido pelo G1.
“Serão considerados modelos afrodescendentes aqueles com ascendente por consanguinidade até o 2º grau. Os nomes destes modelos devem ser destacados na lista de casting”.
Antes, o evento fazia uma recomendação de que parte dos modelos selecionados fossem negros, afrodescendentes ou indígenas, mas não era obrigatório como agora.
O documento diz ainda que, quem descumprir a regra, estará fora do line-up da próxima temporada.
Temporada virtual
A SPFW N50 vai ser virtual e acontece entre 4 a 8 de novembro. A edição N49 prevista para o final de abril foi cancelada por conta da pandemia.
Além dos desfiles, peças e filmes serão exibidos no canal do YouTube e haverá intervenções com projeções espalhadas pela cidade.
VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento