Sistema de segurança: para ser eficiente tem que revisar com frequência

Imagem: Pixabay

Imagem: Pixabay
Programa Inova 360

Por Fernando Koda

A revisão periódica é a quarta e última ponta da metodologia de integração do sistema de segurança patrimonial, que inclui também os riscos técnicos, humanos e organizacionais. É muito importante que esses riscos sejam revistos e reavaliados pelo consultor em segurança, no máximo, a cada dois anos. Ou, então, diante de mudanças significativas na estrutura organizacional do condomínio residencial ou empresarial. Tais mudanças podem estar relacionadas à arquitetura do espaço, pessoas, equipamentos ou procedimentos rotineiros.

Vamos detalhar melhor os motivos mais comuns que devem levar a uma revisão do sistema; as situações que possam, de alguma forma, alterar o cenário, a rotina e os riscos que foram identificados e tratados anteriormente. Podemos citar como exemplo a reforma de ambientes, a adequação de uso de espaços comuns, com finalidades diferentes da que fora prevista na análise de risco, ou mesmo mudança no perfil do morador do condomínio, em que o nível do risco identificado é maior do que aquele que foi estudado e tratado anteriormente.

Esses fatores podem estar relacionados também à modernização de equipamentos de segurança eletrônica, que ofereçam melhores resultados do que os que estiverem em uso, alterações das regras ou dos procedimentos planejados para a rotina do condomínio ou da empresa ou ainda a redução ou aumento do efetivo de colaboradores do setor de segurança, com adequação de postos de serviços.

Treinamento

Sempre que houver a revisão e a reavaliação é importante que todos os envolvidos recebam um novo treinamento prevendo as alterações importantes, entre outros tópicos, que o consultor entender necessário.

Recomendo enfaticamente que após os tratamentos serem realizados e os treinamentos forem aplicados, que sejam praticadas simulações de sinistros que visem encontrar falhas no sistema de segurança.

Isso é importante também para medir o grau de comprometimento quanto a qualidade do serviço da equipe, evitando que os envolvidos entrem em uma zona de conforto que possa prejudicar o resultado final pretendido.

Simulações

As simulações a que me refiro devem ser praticadas de forma coerente e inteligente, com a finalidade de encontrar possíveis falhas nos processos, na prática, para que recebam o devido reajuste ou tratamento e a qualidade dos serviços se mantenha no patamar da qualidade esperada.

Este é a quarto e último artigo sobre a integração de sistema de segurança. É de suma importância que todas as pontas da metodologia sejam estudadas e tratadas para que os riscos sejam eliminados ou reduzidos. Se, porventura, uma dessas pontas não for devidamente tratada, o risco será eminente.

Espero que o conteúdo sirva de parâmetro para avaliar a segurança patrimonial de sua organização e, por conseguinte, medir os resultados de prevenção e contenção em segurança que sua organização necessita. Se entender necessária a ajuda de um profissional, recomendo que procure por um Consultor em Segurança para que os resultados sejam os melhores possíveis.

Na próxima semana falaremos sobre a importância da clausura de segurança, popularmente chamada de gaiola.

 

Fernando Koda assina a coluna “Segurança com Fernando Koda”, no Inova360, parceiro do R7. Ele é especialista em segurança patrimonial e está à frente da Implanta Solução em Segurança.

www.implantasolucaoemseguranca.com.br

fernando@implantasolucaoemseguranca.com.br