Show de Luiz Gonzaga em festival hippie de 1971 ganha edição em disco 50 anos após evento histórico


♪ É preciso compreender todo o movimento da trajetória profissional de Luiz Gonzaga (13 de dezembro de 1912 – 2 de agosto de 1989) para dimensionar o valor do álbum Baião dos hippies, programado para chegar ao mercado fonográfico neste segundo semestre de 2021, em CD e em edição digital do selo Discobertas, com o registro da apresentação feita pelo artista pernambucano há 50 anos no Festival de Verão de Guarapari, realizado em fevereiro de 1971.
Gonzaga nunca deixou de ser rei em todo o nordeste do Brasil. No entanto, em mercados capitais para o reconhecimento midiático, o reinado do cantor, compositor e sanfoneiro pernambucano implodiu com a revolução estética feita pela bossa nova em 1958 e com o surgimento da MPB na plataformas dos festivais da canção a partir de 1965.
Em 1971, Gonzaga ensaiou aproximação com o universo da MPB no álbum O canto jovem de Luiz Gonzaga – editado naquele ano com repertório que incluía músicas de Caetano Veloso, Gilberto Gil e Edu Lobo, entre outros então jovens compositores – em movimento iniciado justamente com a apresentação do rei do baião no antológico evento musical de Guarapari.
Realizado de 11 a 14 de fevereiro de 1971 na praia Três Marias, situada no litoral da cidade capixaba de Guarapari (ES), o Festival de Verão de Guarapari teve aura hippie por ter sido inspirado no célebre festival norte-americano de Woodstock, marco da contracultura que, em agosto de 1969, irradiou a ideologia de paz & amor para todo o universo pop.
A programação do festival brasileiro do Espírito Santo contou com show de artistas identificados com o público jovem e/ou com a cultura hippie, como a banda A Bolha e os cantores Erasmo Carlos, Milton Nascimento e Tony Tornado.
Estranho nesse ninho de contracultura, assim como Angela Maria (1929 – 2018), cantora da era do rádio que na época também buscava renovar o público e o repertório, Luiz Gonzaga mostrou como se dançava o baião para o público hippie de Guarapari.
O festival fracassou, mas entrou para a história, o que justifica, 50 anos depois, a edição do álbum Baião dos hippies, iniciativa do produtor e pesquisador musical Marcelo Fróes.