Sessão de terapia e mães dirigindo pornô: evento em Cannes põe programas ‘radicais’ como vanguarda da TV


MipTV também debateu sobre serviços de streaming e podcasts. Virginia Mouseler, na palestra ‘Fresh TV’ de quarta (10), dedicada à ficção
Álvaro Pereira Júnior/TV Globo
“Eu traí minha esposa doente”, diz o homem. O rosto dele não aparece. Só a voz, que é de remorso. Ocupando a tela, a face de um segundo homem, que escuta a confissão. É uma sessão de psicoterapia.
Celebridades mascaradas e namoro hi-tech: evento em Cannes traz novidades da televisão no mundo
Isso acontece um um novo programa da TV belga, “Therapy” (terapia), que rompe uma das últimas barreiras da intimidade humana: a relação psicoterapeuta/paciente. Segundo os produtores, as filmagens têm autorização de ambas as partes. O paciente nunca aparece.
Um trailer de “Therapy” foi uma das atrações da palestra “Fresh TV”, dentro da MipTV, uma feira de televisão que acontece de 8 a 11 de abril no gigantesco Palácio dos Festivais, em Cannes, sul da França. A “Fresh TV” é sempre a atração mais esperada, por compilar novidades televisivas de vanguarda, fora do radar do observador do comum.
Além de “Therapy”, outro programa mostrado na “Fresh TV” foi o inusitado “Mums Make Porn”, da Inglaterra. Nesse reality show, um grupo de mães é levado a conhecer os bastidores do cinema pornô, para que aprendam elas mesmas dirigir um filme erótico que considerem adequado a ser visto por seus filhos adolescentes. Por mais que a MipTV seja uma feira de negócios, e não de discussões éticas, “Mums Make Porn” provocou visível incômodo na plateia.
Fachada do Palácio dos Festivais, onde acontece a MipTV
Álvaro Pereira Júnior/TV Globo
Mas nem tudo na “Fresh TV” são atrações radicais. A anfitriã, Virginia Mouseler (CEO do grupo suíço de análise de mídia The Wit), mostrou também programas como o holandês “Been There, Done That” (“eu passei por isso”, em tradução livre), no qual celebridades que enfrentaram algum problema, e conseguiram vencê-lo, dão orientações para pessoas comuns que passam por situações parecidas. Uma modelo que teve distúrbios alimentares pode ajudar uma jovem com bulimia. Um ator que enfrentou o alcoolismo pode orientar alguém que está bebendo demais.
Também na “Fresh TV”, foi apresentado o show espanhol “A Melhor Canção de Todos os Tempos”, que mistura números musicais com interatividade. Por meio de um aplicativo de celular, a plateia vota, a partir de uma lista prévia, nas melhores canções de cada década. A cada semana, a lista se afunila. Com arranjos grandiosos, cantores famosos interpretam as canções. O povo vai votando, votando, até que, tempos depois, se chega à melhor canção de todos os tempos.
A “Fresh TV’ aconteceu na terça (9). No mesmo dia, em outro auditório, houve uma palestra autobiográfica de Ilene Chaiken, criadora das séries “The L Word” e “The Handmaid’s Tale”, além de produtora-executiva de “Empire”. Ela recordou seus anos de incerteza, em que tentava ser artista plástica, até finalmente descobrir sua verdadeira vocação, roteirista.
Chaiken manifestou alguma inquietude em relação à maneira como as séries são lançadas nos serviços de streaming (TV por internet), com todos os episódios liberados de uma vez. Ela avalia que, como é cada vez mais comum assistir séries em “maratona”, e não aos poucos, isso cria uma demanda incessante por novos produtos, o que é difícil manter e faz com que nada fique de fato gravado na memória do público. Foi muito aplaudida.
TV por internet também foi o tema da mesa-redonda “Da TV ao OTT”, em que se descreveu a trajetória do “Olympic Channel”, ligado ao Comitê Olímpico Internacional. OTT (sigla para “over the top”) é o termo para quando o fornecedor entrega o conteúdo de TV diretamente ao consumidor, pela internet. O destaque foram as explicações sobre como o “Olympic Channel” usa as redes sociais para atrair espectadores para o seu conteúdo.
Palestra sobre podcasts na MipTV
Álvaro Pereira Júnior/TV Globo
Na quarta (10), a MipTV, mesmo sendo um evento de televisão, foi “invadida” pela turma do áudio, no painel “Podcasts: um eldorado para programas roteirizados?”. Podcasts são hoje uma febre mundial, muito parecidos com programas de rádio, mas que o ouvinte escuta quando e onde quer. Normalmente são associados a conteúdo mais jornalístico, mas o painel, com quatro representantes da indústria francesa de podcasts, descreveu o crescimento dos podcasts de ficção, espécie de radionovelas do século 21.
Também na quarta (10), Virginia Mouseler voltou com sua “Fresh TV”, mas agora focada em programas de ficção. Ela detectou uma tendência que chamou de “ficção estilo me too”, em alusão ao novo movimento feminista. Ao longo de mais de uma hora, apresentou diversos exemplos, do mundo todo, de novíssimas séries e filmes em que as protagonistas são mulheres enfrentando vitoriosamente situações-limite. Nesses roteiros, em geral, os homens aparecem como paspalhões, ou traiçoeiros ou incompetentes – ou tudo isso junto.
A MipTV reúne cerca de 10 mil pessoas, de mais de cem países. É um dos principais eventos da TV mundial. Além das palestras, painéis e workshops, tem espaços imensos voltados para negócios, em que redes de TV, estúdios e produtoras do mundo todo oferecem seus produtos. Países emergentes nesse mercado – como China, Índia, Coreia do Sul e Turquia – apareceram com grande destaque, tanto nos estandes da feira quanto nas apresentações.
A edição de 2019 da MipTV termina quinta (11), com dois painéis para avaliar as principais tendências detectadas ao longo dos quatro dias do evento.