Ser otimista faz você viver mais, diz estudo; veja 6 dicas

otimismo tem efeitos na saúde mental das pessoas, podendo até proteger jovens contra a depressão, conforme aponta a pesquisa do Centro da Criança de Murdoch. Mas agora um estudo publicado pelo Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) mostrou que existe uma relação ainda mais estreita entre a positividade que uma pessoa tem e o quanto ela vive.

Segundo a autora da análise, Lewina Lee, professora assistente de psiquiatria da Universidade de Boston, “esse estudo tem uma forte relevância na saúde pública porque sugere que o otimismo seja uma qualidade psicológica tão grande que tem o poder de prolongar a expectativa de vida humana”.

O que é ser otimista

Quando falamos de otimismo, falamos de expectativas e da forma de reagir ao mundo. Isso envolve não só o quanto uma pessoa consegue ver o lado bom das coisas, mas também questões autoestimaansiedade e estresse.

De acordo com a análise divulgada pela PNAS, quem é otimista tem a vida prolongada em cerca de 11% a 15% em comparação com os pessimistas. Além disso, possui uma chance de 50% a 70% maior de atingir mais de 85 anos.

Também foi identificado que essa relação entre otimismo e longevidade é independente de status econômico, condições de saúde e integração social, que também foram considerados na hora da análise.

Teste psicológico

Mulheres e homens, participantes do estudo foram analisados separadamente, com dados de duas instituições diferentes, cada uma voltada a um dos gêneros.

O teste das mulheres consistiu em um questionário com uma escala de concordância de A – E; em que E representava “discorda muito” e A representava “concorda muito”; as demais letras representam concordância e discordância leve ou nula.

Ajustando os resultados para comparar pessoas em situação de vida vida parecidas, foi concluído que as mulheres mais otimistas expandiram a vida por volta de 14,9% a mais que as pessimistas.

Enquanto que o estudo dos homens serviu como um parâmetro de positividade e esperança complexo. Isso porque ele não coloca as pessoas na categoria de otimista ou pessimista logo de cara, mas sim analisa o nível de otimismo e pessimismo isoladamente.

Os resultados foram divididas em pessimista, neutro, e otimista e chegou-se à seguinte conclusão: quanto mais próximo do otimismo, menos doenças cardíacas a pessoa viria a ter.

Comparados aos homens pessimistas, os neutros tiveram 25% menos deficiências no funcionamento do coração; e os otimistas mostraram uma saúde do coração ainda maior, com 25% menos problemas no coração comparados a quem se mostrou “neutro”.

Avaliando o nível de positividade

As mulheres responderam ao Teste de Orientação de Vida (LOT-R) para medir o otimismo. A avaliação consistia em uma identificação de como elas reagem ao mundo.

As perguntas descobriram se elas ainda tinham esperança em momentos incertos, se esperavam que as coisas acontecessem como elas queriam, se relaxavam facilmente, dentre outras.

Já os homens responderam questões que tinham a intenção de entender o perfil e comportamento psicológico, num teste chamado Escala de Otimismo-Pessimismo Revisada (PSM-R).

Os dados coletados geraram dois estudos: um sobre Envelhecimento Normativo (NAS), que contou com 1429 homens, acompanhados entre 1986 e 2016; e o de Saúde das Enfermeiras (NHS), que foram avaliadas entre 2004 e 2014 e, com 69744 mulheres.

Como ser otimista

Pensando nisso, confira algumas dicas para tentar ter mais otimismo no seu dia a dia:

1 – Preste atenção nas coisas boas  


Uma pessoa otimista não é a do tipo que nota apenas acontecimentos ruins. Ela geralmente percebe comoções de bondade e solidariedade, explica a psicóloga Sylvia Sabbato.

2 – Seja mais confiante  


Pessoas pessimistas tendem a ser fatalistas. Ou seja, se você acredita que qualquer obstáculo pode acabar com você, então ele te afeta ainda mais.

3 – Encare a realidade 


O otimismo precisa ser baseado na realidade; nos aspectos positivos dela. Não é ignorar os problemas, e sim enfrentá-los de uma maneira positiva, como explica a especialista em psicologia Samia Maluf.

4 – Seja uma pessoa sociável 


Pessoas pessimistas têm menos interações sociais e são mais isolados, afirma a psicóloga Adriana Araújo. Não ter contato com outras vivências e visões faz você se limitar no seu mundo e, às vezes, não ver o lado positivo de uma situação.

5 – Tente sorrir mais  


Pode parecer óbvio, mas se você se permitir sorrir, você vai estar aproveitando mais os momentos positivos e externalizando a felicidade. Um estudo publicado no Science Direct mostra que o sorriso tem sim efeito nosso humor e na forma como reagimos às situações.

6 – Comemore o sucesso 


Lembrar que existem vitórias no dia a dia é necessário pra ser feliz. As coisas boas que acontecem podem ser frutos do seu esforço também. Por isso, lembre-se do seu sucesso e não tente diminuí-lo.

Como a mente afeta o corpo

10 sintomas físicos do estresse

Luto pode ter efeito direto no seu corpo, dizem especialistas

Somatização: entenda os sintomas sintomas físicos das emoções