Senadores querem presença de Mourão e Salles em região afetada por incêndios no Pantanal

Parlamentares de comissão criada para acompanhar queimadas no Centro-Oeste também devem convidar Tereza Cristina (Agricultura) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional). Queimadas no Pantanal destroem a vegetação, a fauna e provocam muita fumaça
Os senadores que integram a comissão criada para acompanhar os incêndios no Pantanal querem que o vice-presidente Hamilton Mourão e os ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente), Tereza Cristina (Agricultura) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) compareçam às áreas afetadas pelas queimadas.
De acordo com a assessoria da senadora Simone Tebet (MDB-MS) os convites às autoridades devem ser formalizados na próxima segunda-feira (21). Ainda não há data para a viagem.
O governo federal decretou situação de emergência em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso em razão das queimadas. Com isso, os estados poderão reforçar a prevenção e o combate aos focos, assim como manter serviços públicos nas áreas atingidas pelo fogo.
No último dia 9, passou de 2 milhões de hectares a área atingida pelos incêndios.
O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, se reuniu nesta terça-feira (15) com o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), e anunciou a liberação de R$ 3,8 milhões para ações de combate aos incêndios que atingem o estado.
Ação no Supremo
O partido Rede apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (17) uma ação na qual pede, entre outras medidas, que a Corte determine ao governo federal que:
apresente, no prazo de 10 dias, plano de prevenção e combate aos incêndios no Pantanal e na Amazônia;
envie, no prazo de cinco dias, força-tarefa às regiões para atuar no combate ao alastramento dos focos de incêndio e no resgate de animais;
destine equipamentos para o combate a incêndios e cestas básicas aos moradores dos locais, com atenção especial a povos indígenas e quilombolas.
A legenda também pede que seja reconhecido “o estado de coisas inconstitucional da gestão ambiental brasileira”, sobretudo nos biomas Pantanal e Amazônia.