Secretário da Previdência diz que mudanças no texto não devem afetar economia prevista com a reforma

Rogério Marinho disse que está negociando com parlamentares alterações que não mexam na ‘espinha dorsal’ da proposta. Votação de parecer está prevista para esta terça na CCJ da Câmara. O secretário da Previdência, Rogério Marinho, afirmou nesta segunda-feira (22) que mudanças no texto da reforma não devem afetar o valor que o governo prevê economizar caso a proposta seja aprovada.
Pelos cálculos da equipe econômica, a reforma permitiria ao governo economizar R$ 1,16 trilhão em 10 anos. Segundo Marinho, as negociações feitas com parlamentares sobre eventuais alterações na reforma vão preservar esse valor.
“Estamos tratando do tema com os líderes que nos procuraram para trazer algumas sugestões. É possível algumas modificações, mas, como eu já disse anteriormente, não haverá impacto fiscal e nem se mexerá na espinha dorsal do projeto no que tange à questão previdenciária”, declarou Marinho a jornalistas.
O secretário explicou ainda que a informação de que a votação deverá acontecer nesta terça-feira na CCJ partiu de líderes partidários, do presidente da comissão, Felipe Francischini (PSL), e do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM).
“Amanhã haverá a votação. É a informação que eu tenho dos líderes e do próprio presidente da CCJ [Francischini], do presidente Rodrigo Maia e daqueles que fazem parte da comissão. A maior parte dos partidos que estão alinhados com a pauta estão convencidos da necessidade de ultrapassarmos essa etapa, até porque, o mérito, nós iremos discutir na comissão especial”, concluiu.