Seca e ventania trazem ‘mar de folhas’ coloridas nas calçadas do Rio; entenda o fenômeno


Dias sem chuva levaram as árvores a disparar mecanismo de proteção, o que muda o tom da folhagem. Tempo vira no estado nesta sexta-feira. Folhas de amendoeiras caem no Jardim de Alah, na Zona Sul do Rio
G1 Rio
O veranico em pleno inverno e a estiagem no Rio transformaram as árvores cariocas. Ao longo desta semana, enquanto a temperatura batia 37 graus e não choveu, a copa das amendoeiras mudou de cor. Já as mangueiras floriram.
Com a ventania desta quinta-feira (26), folhas de diferentes tons pararam no chão, formando um mar esverdeado-alaranjado-avermelhado nas calçadas e ruas do Rio – dando trabalho para faxineiros e garis.
As rajadas de até 70 km/h anunciaram a vinda de uma frente fria, que a partir desta sexta-feira (27) deixará o tempo chuvoso pelo menos até terça (31) e encerrará dez dias de seca.
O biólogo Izar Aximoff, doutor em botânica, explicou que cada árvore tem sua estratégia diante de dias quentes e secos. “Tem gente que prefere o calor do verão, outros gostam mais do frio e a seca do inverno. Com as plantas funciona assim também.”
“Um dos mecanismos de defesa para não sofrer tanto com a seca é perder as folhas ou ter folhas adaptadas, como os cactos”, disse.
“Quanto menos folhas, menor a perda de calor e de água”, destacou.
LEIA TAMBÉM:
Justiça do Rio determina o fim do heliponto da Lagoa
Mergulhadores são capacitados para localizar peixe venenoso em Noronha
Por que neve dos Alpes está ficando vermelha
No alto da imagem, copa de amendoeira mudando de cor; abaixo, mangueira florida
Izar Aximoff/Arquivo pessoal
A mudança de cor das amendoeiras, segundo Aximoff, tem a ver com a clorofila — ou a falta dela. Esse reequilíbrio é para poupar nitrogênio até a brotação de folhas novas.
“Hormônios vegetais induzem a redução da clorofila, e o que fica na folha são pigmentos avermelhados, como os carotenos, antes de elas caírem”.
Sem clorofila, acrescentou o biólogo, “as folhas perdem a capacidade de fazer fotossíntese e em seguida caem”.
O vento forte acelera esse processo, sacudindo os galhos, e as folhas mais fracas se soltam com facilidade.
Uma vez que a folha perde o verde, ela está fadada a cair — mas logo vêm os brotos, e a chuva ajuda nessa “troca de roupa”.
Já as mangueiras e os ipês florescem no período de seca. “Produzindo as flores agora, a mangueira produz os frutos no início das chuvas. Como ela precisa de muita água e energia para frutificar, o início da floração no final da seca faz sentido”, ensinou Aximoff.
Aximoff diz que amendoeiras, que não são nativas do Brasil, chegam a viver 50 anos em média.
Fotos
Fileira de amendoeiras em Ipanema
G1 Rio
Mar de folhas no Maracanãzinho
Janaína Carvalho/G1
Amendoeira alaranjada na Rua General Polidoro, em Botafogo
Eduardo Pierre/G1
Jardim de Alah, entre Ipanema e Leblon
G1 Rio
Mar de folhas na 20ª DP (Vila Isabel)
Janaína Carvalho/G1
Árvore pelada na Rua da Passagem, em Botafogo
Eduardo Pierre/G1
Chão de folhas no Jardim de Alah
G1 Rio