‘Se as principais lideranças são pela reforma, eu vou ter medo de quê?’, diz Guedes


Ministro da Economia disse estar ‘absolutamente tranquilo’ após bate-boca com deputados durante audiência sobre a reforma da Previdência na última quarta-feira. O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o governador de São Paulo, João Doria, em evento nesta sexta-feira (5)
Fabio França/G1
O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira (5) que está tranquilo quanto à condução da reforma da Previdência e falou em “rumores” em torno de sua articulação no Parlamento pela aprovação do texto.
“Se as principais lideranças do país estão comprometidas com a reforma, eu vou ter medo de quê? Vou tratar com um certo desrespeito quem me desrespeitou? São rumores, acontece”, disse.
A afirmação foi feita durante evento do grupo Lide em Campos do Jordão, no interior paulista.
Na quarta-feira (3), a audiência sobre a reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara terminou mais cedo após bate-boca entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e deputados da oposição.
“Tem uma minoria barulhenta que fica batendo o bumbo e acham que a politica é aquilo ali”, disse Guedes sobre o ocorrido.
Também no evento do Lide, o presidente do Bradesco, Octávio de Lazari, afirmou mais cedo que o atrito entre Guedes e os parlamentares esta semana faz parte de uma “curva de aprendizado do novo governo”. “Aconteceu uma tempestade, mas que agora haja uma união de todos, principalmente do Parlamento, para que a gente possa fazer essa reforma”, disse.
‘Dinâmica construtiva’
Paulo Guedes disse nesta sexta-feira estar “absolutamente tranquilo”, e destacou que há uma dinâmica construtiva em Brasília.
O ministro mencionou os apoios dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Acolumbre, além do governador paulista, João Dória, em torno da proposta de reformar a Previdência.
“Pode haver dúvida se a reforma vai ter [uma economia] de R$ 1 trilhão mesmo ou se só vão fazer um remendo no sistema. “Isso pode ter dúvida, mas que vão atacar de frente [para aprovar a reforma] não tenho, não menor dúvida”.
Plano para estados e municípios
Sem dar detalhes, Guedes disse que vai divulgar em 30 dias um plano de equilíbrio financeiro par ajudar estados e municípios a sobreviver. Segundo ele, o dinheiro vai sair do pré-sal. “A mudança de eixo não é mais o governo central e sim estados e municípios”, disse.
O ministro disse também que a União não precisa expandir mais, por já ser muito grande, e que a reforma do Estado será um dos pilares de seu governo, junto da Previdência e privatizações.