Rubel narra ato político em defesa da vacina em samba que alude à música composta por Sinhô em 1930


Artista fluminense lança o single ‘O homem da injeção II’ com cordas orquestradas por Arthur Verocai. ♪ Um dos compositores que abriram alas para o samba a partir dos anos 1910, em trajetória consolidada ao longo da década de 1920, o carioca José Barbosa da Silva (18 de setembro de 1888 – 4 de agosto de 1930) – compositor e multi-instrumentista imortalizado na história da música brasileira com o nome artístico de Sinhô – morreu há 91 anos em circunstâncias surreais quando se dirigia à Biblioteca Nacional para registrar samba intitulado O homem da injeção.
Tuberculoso, Sinhô sofreu hemoptise na balsa que o conduzia da Ilha do Governador ao centro da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Consta que, com o compositor, foram enterradas a partitura e a letra do samba para sempre perdido.
O título do samba que Rubel lança nesta quinta-feira, 8 de julho, O homem da injeção II, alude ao nome do samba de Sinhô. Contudo, a inspiração e a motivação do artista fluminense são outras.
Rubel compôs o samba baseado na história real de homem que ficou nu em praça pública da cidade do Rio de Janeiro (RJ) e subiu em estátua para, em ato político, exigir vacina contra covid-19 – cena registrada pela foto de Clarisse Tarran exposta na capa do single O homem da injeção II.
Capa do single ‘O homem da injeção II’, de Rubel
Clarisse Tarran / Divulgação
Rubel compôs a melodia de O homem da injeção II e convidou Breno Góes para escrever os versos descritivos da letra da música, gravada com cordas orquestradas pelo maestro Arthur Verocai e com metais arranjados pelo trombonista Antonio Neves.
Ao orquestrar a produção musical do single, Rubel arregimentou músicos habituados a tocar com bambas como Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho. São os casos do violonista Carlinhos Sete Cordas, do cavaquinhista Mauro Diniz e dos percussionistas Esguleba e Jaguara.
Apresentado como “hino pró-vacina”, o single O homem da injeção II é a primeira música de tom político no cancioneiro de Rubel.