Ritmo de vacinação faz com que 43% planejem começar a graduação somente em 2022, aponta pesquisa


Outros 19% têm intenção de se matricular no segundo semestre deste ano. Situação econômica e medo de contaminação também são apontados como motivos para o adiamento. O ritmo de vacinação do país, que ainda não atingiu o público abaixo de 30 anos, faz com que futuros universitários adiem os planos de começar a graduação.
Uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (29) aponta que 43% dos entrevistados pretendem se matricular no ensino superior somente em 2022. Em março, o percentual era de 28%.
Pesquisa relaciona intenção de fazer graduação e situação da vacina
G1
O dado é da pesquisa “Observatório da Educação Superior: análise dos desafios para 2021 – 3ª edição”, feito pela Educa Insights, empresa de pesquisas educacionais, em parceria com a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes). Foram ouvidas 1.212 pessoas, de 17 a 50 anos, que pretendem fazer graduação.
A decisão de adiar o início da graduação está relacionada à crise econômica, ao aumento no número de casos e mortes pela Covid-19 e à ordem do calendário de vacinação, que deixou a faixa etária mais jovem para o segundo semestre deste ano, avalia a Abmes.
“Muitos jovens ainda estão aguardando a vacinação completa para a retomada do sonho da educação superior, o que deverá acontecer somente a partir de 2022, dada a lentidão do processo de imunização. Tal situação aumenta o risco de falta de mão de obra qualificada para a retomada econômica, como vem sendo sentido em vários setores, entre eles, o de Tecnologia da Informação”, avalia o diretor presidente da Abmes, Celso Niskier.
Por outro lado, a pesquisa também mostra que 19% dos entrevistados pretendem se matricular ainda este ano, no segundo semestre. O percentual é quatro pontos acima do revelado em junho do ano passado, quando 15% demonstravam esta intenção.
Leia também:
MEC publica editais com datas do Sisu, Prouni e Fies do 2º semestre, e candidato poderá usar notas do último Enem
Saiba mais sobre Educação
Veja também: G1 estreia canal no YouTube