Renault encerra terceiro turno e demite 747 trabalhadores no Paraná


Fabricante é a segunda do setor a anunciar uma demissão em massa. Em junho, a Nissan demitiu 398 pessoas em Resende, RJ. Fábrica da Renault em São José dos Pinhais, no Paraná
Divulgação
A Renault anunciou nesta terça-feira (21) o fechamento do terceiro turno de produção na fábrica de São José dos Pinhais (PR). Com isso, 747 trabalhadores foram demitidos.
A fabricante é a segunda empresa do setor a fazer demissões desde o início da pandemia. No fim de junho, a Nissan, que integra uma aliança mundial com a Renault, também eliminou um turno na sua fábrica, em Resende (RJ) e demitiu 398 empregados.
No início da pandemia praticamente todas as montadoras concederam férias coletivas. Posteriormente, recorreram à Medida Provisória 936 para redução temporária de salários e jornadas. Algumas têm mantido parte dos trabalhadores afastada por meio de suspensão temporária de trabalho. Mas os dirigentes do setor têm alertado sobre a iminência de demissões.
Por meio de nota, a direção da Renault queixou-se da dificuldade de negociar com os representantes dos trabalhadores. Tanto as propostas de redução salarial e de jornada como a abertura de programa de demissões voluntárias foram rejeitadas em assembleias. “Esta medida (demissões) também está alinhada com o projeto de redução de custos anunciado pelo Grupo Renault em maio, válido para todo o mundo”, destacou a empresa em nota.