Registros de estupro de vulneráveis crescem quase 40% em Juiz de Fora em 2017


Índices de criminalidade foram divulgados pela Secretaria de Estado de Segurança Pública.  Delegada Ione Barbosa da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) em Juiz de Fora
Polícia Civil/Divulgação
Juiz de Fora registrou um crescimento de 39,39% no número de registros de estupro de vulneráveis. Os dados são da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SESP) que divulgou no último final de semana os números referentes à criminalidade no ano de 2017 em Minas Gerais.
O levantamento aponta que foram 46 registros no ano passado. Em 2016, o número de estupros de vulneráveis notificados foi de 33. A delegada Ione Barbosa, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), alerta que a estatística pode ser ainda maior do que a registrada pelo Estado.
“Além dos vários casos que ocorrem e não são registrados, há também os registros feitos como atentado violento ao pudor, tentativa de estupro, dentre outros, que após a investigação, têm a tipificação retificada para estupro consumado, mas que acabam não sendo incluídos nestas estatísticas”, explicou.
Ao G1, a delegada esclareceu que o aumento no número de registros não significa necessariamente um crescimento no número de casos de estupro de vulneráveis.
“O aumento de registros pode não significar que houve crescimento no número de pessoas estuprando crianças e, sim, que mais pessoas estão criando coragem de denunciar os abusos”, afirma.
Ela destacou, ainda, que o trabalho desenvolvido na Delegacia da Mulher tem demonstrado à sociedade resultados satisfatórios, o que incentiva as vítimas a denunciar, para que os estupradores possam ser investigados, identificados e punidos.
“A sociedade a cada dia reconhece que o trabalho da Deam tem resultado na prisão de abusadores. Campanhas de combate à pedofilia, como a desenvolvida na novela ‘O Outro Lado do Paraíso’, mostram às vítimas que é preciso ter coragem e denunciar”, destacou.
Registros de estupros a adultos caem
De acordo com os dados da SESP, o número de registros de estupros consumados a adultos em 2017 foi de 22. A quantidade é 12% menor do que em 2016, quando foram 25 casos, e o menor número desde 2012, quando foi iniciada a série histórica do Estado.
Para a delegada Ione Barbosa, a redução deve ser analisada com cuidado.
“A diminuição nos registros de homicídio pode ser um reflexo do trabalho desempenhado pela polícia na investigação e prisão de autores. O fato de saber que poderá ser identificado e punido pode inibir algumas pessoas de praticarem os abusos”, comentou.
A delegada completou lembrando que sempre que há redução neste tipo de crime é importante que as autoridades permaneçam em alerta, pois pode significar, também, que as vítimas não estejam denunciando por medo.
As denuncias podem ser feitas pelo telefone, através do número 180. A Casa da Mulher e a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher funcionam na Rua Uruguaiana, 94, no Bairro Jardim Glória.

Powered by WPeMatico