Quem ocupa mandato ‘não tem opção de negligenciar’ obrigação de preservar ambiente, diz Maia


Presidente da Câmara fez a declaração durante audiência do STF para debater ações que questionam medidas do governo em relação ao Fundo do Clima. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia.
GloboNews/Reprodução
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (21) que “aqueles que ocupam cargos públicos não têm a opção de negligenciar” a obrigação de preservar o meio ambiente.
Maia participou da abertura de uma audiência pública do Supremo Tribunal Federal (STF) para debater ações que questionam medidas do governo federal em relação ao Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo do Clima).
“O artigo 225 do texto constitucional não deixa espaço para dúvidas: todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida. Portanto, aqueles que ocupam mandatos ou cargos públicos não têm a opção de negligenciar essa obrigação, extensivamente detalhada na própria Constituição, imposta ao poder público e à sociedade. Ela se traduz em verbos como preservar, proteger, restaurar e educar”, afirmou o presidente da Câmara.
Maia ressaltou que a preservação do ambiente não é uma questão de disputa política, mas de um compromisso firmado na Constituição.
Ministério do Meio Ambiente não gastou nem 1% da verba para preservação, diz levantamento
“O compromisso com o ambiente saudável não se encontra no campo da disputa política. Esse compromisso foi firmado pelos constituintes há mais de 30 anos. Ele é um dever incontornável de todos os agentes públicos, que, ao assumirem seus mandatos ou cargos, juraram cumprir a Constituição”, disse.
Segundo ele, desrespeitar esses deveres “é violar frontalmente a Constituição”.
Maia afirmou ainda que uma “política negligente” em relação ao meio ambiente traz impactos “sistêmicos consideráveis” a outros direitos previstos, como o direito à saúde.
“O direito ao meio ambiente equilibrado se conecta a vários outros, como o direito à saúde e o direito à segurança alimentar. Há na Constituição brasileira um verdadeiro ecossistema de direitos que se pressupõem e se reforçam reciprocamente. Uma política negligente em relação a um traz impactos sistêmicos consideráveis”, afirmou.