Quase três meses após fim de contrato, trechos de 15 rodovias federais do RS seguem sem radares


Situação permanecerá assim até que seja realizada avaliação sobre necessidade, informa o DNIT. Presidente Jair Bolsonaro determinou cancelamento da instalação de novos equipamentos. BR-290: trânsito intenso, pista simples e capacidade de tráfego esgotada
Reprodução/RBS TV
Quase três meses após o fim do contrato de implantação e manutenção de radares em rodovias federais do Rio Grande do Sul, trechos de 15 rodovias federais seguem sem fiscalização de velocidade no estado. A situação permanecerá assim até que uma avaliação sobre a necessidade dos equipamentos seja realizada.
Nesta segunda-feira (1), o Ministério da Infraestrutura informou que suspendeu a instalação de radares em rodovias federais não-concedidas à iniciativa privada. O motivo foi a ordem do presidente Jair Bolsonaro, que divulgou por meio do Twitter no final do mês passado.
Initial plugin text
O estado tem 344 faixas que deveriam estar monitoradas pelos equipamentos, nas rodovias BR-101, BR-116, BR-153, BR-158, BR-285, BR-287, BR-290, BR-293, BR-386, BR-392, BR-448, BR-468, BR-470, BR-471 e BR-472.
O vínculo do governo federal com a empresa responsável pela implantação e manutenção de pardais e lombadas eletrônicas nestes trechos terminou no dia 14 de janeiro, e não foi renovado. Em fevereiro, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) havia informado que realiza um novo processo de contratação e troca de equipamentos.
Mesmo com sinalização de controladores de velocidade, imagens flagram imprudência no RS
Nesta quinta-feira (4), no entanto, a assessoria de imprensa do órgão federal disse que a instalação não vai acontecer antes que seja realizada uma “análise rigorosa” no plano de radares instalados nas rodovias, conforme determinação do Ministério da Infraestrutura.
Na BR-158 em Cruz Alta, no Noroeste do estado, e na BR-285, em Passo Fundo, novos radares chegaram a ser instalados, mas estão desativados. A situação é a mesma em Santa Maria, na Região Central, onde o trânsito de caminhões é intenso na BR-392 e na BR-158. Em Pelotas, no Sul do estado, as lombadas eletrônicas da BR-293 também foram retiradas.
Lombadas eletrônicas da BR-293 também foram retiradas em Pelotas
Reprodução/RBS TV
Na BR 290, o trânsito é intenso todos os dias, em uma estrada de pista simples, perigosa e com capacidade de tráfego esgotada. O comerciante Felipe Gracioli afirma que, sem a fiscalização, motoristas cometem infrações.
“Inclusive retornando agora de Porto Alegre, com carro de trabalho, em vários trechos de faixa continua tinha vários carros me ultrapassando onde não podia. E se viesse um veículo no sentido contrário, podia acontecer algum acidente”, relatou.
Ao longo da BR-290, no trecho entre Porto Alegre e Arroio dos Ratos, placas indicam que o controle de velocidade é feito de forma eletrônica, mas não há controladores, e motoristas desrespeitam a sinalização de que é proibido ultrapassar.
“Nos lugares em que é para andar a 60 km/h, é muito difícil que alguém vá respeitar”, diz o motorista Luis Carlos Martins.
‘Conversa de infrator’
Doutor em sistemas de transportes da UFRGS considera o controle de velocidade por pardais e lombadas eletrônicas a maneira mais moderna de coibir os excessos
Reprodução/RBS TV
O doutor em sistemas de transportes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) João Fortini Albano avalia que o controle de velocidade feito por pardais e lombadas eletrônicas é a maneira mais moderna de coibir os excessos. Ele considera um retrocesso a retirada dos equipamentos.
“Essa história de retirar os pardais é conversa de infrator”, diz o especialista. “Se essa determinação fosse num sentido de examinar um posicionamento, que não fosse algum equipamento escondido atrás de uma árvore, de uma curva, que pegasse o motorista de surpresa, até seria compreensível, porque em todos os mecanismos existe alguma falha”, pondera.