Qualcomm anuncia primeira fábrica de semicondutores do Brasil, que deve começar a operar em 2020


Planta em Jaguariúna, SP, deve gerar até mil empregos na produção do componente para smartphones. Snapdragon, chip da Qualcomm
Divulgação/Qualcomm
A americana Qualcomm, especialista em chips, vai construir a primeira fábrica de semicondutores para celulares do Brasil, em Jaguariúna (SP). A iniciativa é uma parceria com a empresa chinesa USI.
A unidade, anunciada na última quarta-feira (13), deverá empregar de 800 a mil pessoas, com investimento estimado em US$ 200 milhões ao longo de 5 anos. O plano é que a fábrica entre na fase de testes no início de 2020 e comece a produzir chips no final do ano.
“É um dia histórico para o Brasil: o país deixa de ser apenas consumidor de smartphone para ser também um produtor. É uma aposta que fazemos no Brasil, que é uma grande nação em mobile, mas não produz nada, sobretudo no mercado sensível de semicondutor”, diz Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm na América Latina.
Smartphones para o mercado brasileiro
O anúncio foi feito durante o lançamento de dois aparelhos da Asus, da qual a Qualcomm é fornecedora. O Zenfone Max Shot e o Zenfone Max Plus (M2) foram criados exclusivamente para o Brasil a partir de pesquisas realizadas pela empresa taiwanesa.
O Zenfone Max Shot e o Zenfone Max Plus (M2), novos celulares da Asus desenvolvidos para o Brasil.
Fabricio Vitorino/Globo.com
Os dois aparelhos têm praticamente a mesma especificação, mas com uma grande diferença na câmera: enquanto o Max Shot tem câmera tripla, com preço de R$ 1.349, o Max Plus M2 tem câmera dupla e custa R$ 1.299.
Eles também possuem “notch”, aquele entalhe no topo da tela; desbloqueio por detecção facial e leitor de digitais na parte traseira. Os dois também aceitam dois SIM cards e microSD, e têm bateria de 4000 mAh com carregamento rápido. A tela é FullHD com 6,26 polegadas.
Os novos aparelhos foram pensados para um nicho do mercado brasileiro que exige desempenho sem comprometer o preço, diz Marcel Campos, diretor global de marketing da Asus.
Os smartphones contam com a nova plataforma da Qualcomm, chamada de QSiP (system in package), que está sendo usada pela primeira vez no mundo.
A nova placa (ou módulo) reúne mais de 400 componentes num só chip, incluindo armazenamento flash, GPS, memória RAM e processador.
Zenfone Max Shot (exclusivo para o Brasil):
Acabamento em metal (prata, preto, azul e vermelho)
GPU Adreno 506
Tela FullHD 6,26 polegadas
Bateria com 4000 mAh
Carregamento rápido de 10w
Bandeja tripla (SIM + SIM + MicroSD)
Expansão de memória para até 2TB
Android Puro 8.1 Oreo (até junho recebe o Android 9 Pie)
Câmera frontal 8MP com flash, FullHD e estabilização
Desbloqueio facial ou sensor digital de 0,3s
3 câmera traseiras (grande angular 8MP e 120 graus + câmera com modo retrato com fundo desfocado + câmera principal 12MP com sensor Sony e F/1.8 com inteligência artificial)
Memória: 3 GB ou 4 GB
Armazenamento de 32 GB ou 64 GB
Preço: a partir de R$ 1.349
Zenfone Max Plus M2:
As mesmas do Max Shot, mas com apenas 2 câmeras e uma versão de armazenamento, 32 GB, com 3 GB de RAM
Preço: a partir de R$ 1.299