Professores grevistas interditam dois pontos da BR-364 em Rondônia


Professores reivindicam a presença do governo para retomar negociações sobre a greve. Profissionais estão paralisados há 35 dias. Professores grevistas interditaram a BR 364 na saída de Candeias do Jamari e em Vilhena
Hosana Morais/G1
Os professores grevistas interditaram a BR-364 nas saídas de Candeias do Jamari e de Vilhena, sentido Mato Grosso, na manhã desta terça-feira (26). De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia (Sintero), cerca de 300 profissionais participam do movimento próximo à capital de Rondônia, e devido o bloqueio, há um congestionamento extenso de veículos. Os profissionais estão em greve desde o dia 21 de fevereiro.
A presidente do Sintero, Lionilda Simão, informou que os professores só devem sair do local quando um representante do Governo entrar em contato para retomar negociações com a categoria.
Professores interditam BR 364 em Candeias do Jamari e em Vilhena
Hosana Morais/G1
Segundo Lionilda o movimento foi pensado para ser realizado em vários pontos do estado. “Na verdade, essa é uma ação que está acontecendo no estado todo. Estamos hoje com dois pontos da BR-364 ocupada pelos trabalhadores da educação, aqui em Candeias e na regional Cone Sul em Vilhena”, disse a presidente
A presidente informou ainda que a manifestação tem como objetivo chamar a atenção dos governantes. “Nosso intuito é chamar a atenção do Governo, porque nós estamos há 35 dias com a paralisação e não tivemos nenhuma resposta do Governo no sentido de atender os trabalhadores da educação”, informou Lionilda.
Congestionamento de veículos de seis quilômetros é causado pelo bloqueio da BR 364 de Candeias do Jamari para Ariquemes
Hosana Morais/G1
A presidente também explica que para liberar a via, espera receber um contato do Governo para para retomar as negociações.
“Não temos hora definida [para o fim do protesto]. Precisamos que alguém do Governo entre em contato conosco e nos diga algo positivo no sentido de avançar na nossa proposta de valorização salarial”, finalizou Lionilda.
O motorista de caminhão José Carlos conta que saiu de Vilhena e está parado há cerca de uma hora no bloqueio, mas acredita que o movimento é válido. “Eu ia deixar combustível, álcool, em Porto Velho. Sobre o movimento, acho que eles têm que fazer alguma coisa, se não fizer o governo fica quieto né?”, comenta o caminhoneiro.
José Carlos motorista foi uma dos motoristas afetados pelo bloqueio, ele trás alcoól da cidade de Vilhena para Porto Velho
Hosana Morais/G1
De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-364 sentido Ariquemes há dois quilômetros de congestionamento, já no sentido Porto Velho o congestionamento é de seis quilômetros.
Ao G1, a assessoria de comunicação da Secretaria Estadual de Educação (Seduc) informou que não estava ciente sobre a interdição da BR provocada pelos servidores.
De Ariquemes para Porto Velho o congestionamento é de dois quilômetros, segundo a PRF
Hosana Morais/G1

Powered by WPeMatico