Professores de Rondônia completam um mês de greve, mesmo com multa diária de R$ 100 mil


Seduc tem até a sexta-feira (23) para apresentar contraproposta para categoria. Mais de sete mil professores aderiram ao movimento, segundo sindicato. Greve é mantida pelo Sintero em Rondônia
Maríndia Moura/Rede Amazônica
A greve dos professores estaduais de Rondônia completou um mês nesta quarta-feira (21) e, mesmo com a multa diária de R$ 100 mil determinada pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO), os profissionais afirmam que vão seguir com o movimento.
De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia (Sintero), Lionilda Simão, a categoria já concordou em se desfazer do patrimônio para pagar a multa e esperar uma proposta da Secretaria Estadual de Educação de Rondônia (Seduc-RO). A categoria pede reajuste salarial.
“O movimento continua firme e forte. Não pretendemos ceder enquanto não vem uma proposta. Isso é uma decisão da categoria. Nós não estamos mais preocupados com multa, é uma decisão da categoria e não vamos abrir mão [da greve]”, disse a presidente.
Jorge Braga, secretário estadual de planejamento, afirma que o estado já está elaborando uma proposta aos educadores e a mesma deve ser apresentada até sexta-feira (23).
“Nós estamos cumprindo a determinação judicial no prazo. Hoje é o primeiro dia útil para o estado refazer esses cálculos. Eu não posso antecipar, pois tem uma equipe de planejamento e de finanças (…) refazendo esses cálculos e tentando verificar o que pode ser feito”, finalizou o secretário.
A Seduc informou ao G1 o percentual dos professores grevista conforme as cidades do estado. Os dados são da última terça-feira (20).
Situação da greve nas Coordernadoria Regionais de Educação
A presidente do Sintero contestou os dados passados pela Seduc, pois a categoria computa os dados conforme as regionais estabelecidas, que são 11.
“Pelo município não temos esse levantamento. Nós fazemos esse levantamento todo dia [através das regionais]”, informou a presidente do Sintero. O Sintero não repassou os dados ao G1 sobre o percentual da greve.
Audiência de conciliação
Na última sexta-feira (16) foi realizada uma audiência de conciliação da categoria com o Estado no TJ-RO, mas ambos não entraram em acordo.
Foi determinado que, caso a categoria continuasse em greve, deveria pagar uma multa no valor de R$ 100 mil por dia. Foi decidido ainda que a Seduc teria cinco dias úteis para apresentar uma contraproposta para a categoria, prazo que encerra dia 23 de março.
Lionilda Simão presidente do SIntero
Hosana Morais/G1
Relembre o andamento da greve dos professores desde 21 de fevereiro
Professores estaduais entram em greve por tempo indeterminado em Rondônia em 21 de fevereiro
Greve de professores para atividades em 18 escolas de Rondônia, diz sindicato
Seduc e Sintero divergem sobre número de escolas fechadas por greve em Porto Velho
Após oito dias, mais de 7 mil servidores da educação estão em greve em Rondônia
TJ-RO manda professores estaduais suspenderem greve
Sintero recorre de decisão da Justiça que chama a greve dos professores de ‘ilegal’, em Rondônia
Governo não apresenta propostas a grevistas e professores seguem mobilizados em Rondônia
Professores estaduais em greve realizam protesto com camisetas pretas em Ariquemes, Rondônia
Professores mantêm greve em Rondônia, mesmo com multa de R$ 100 mil por dia

Powered by WPeMatico